**************************************************************
ITB. (Igreja Trinitariana Brasileira), Aqui, se aprende o quanto somos pecadores e insignificantes frente a soberania exaustiva e absoluta de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Na ITB. Não cobramos dízimos e ofertas de forma obrigatória; seguimos a ética apostólica paulina, fazemos coletas de forma pontual e com objetivos específicos; prestamos contas das despesas da igreja todo dia 01 de cada mês, a partir da demonstração de contas a pagar, (livros, caixa e contábil); organizamos uma coleta especifica para a manutenção das despesas, caso seja arrecadado um valor superior, o excedente entra no fundo de caixa para cobrir as despesas do próximo mês, caso falte algum valor, é feita uma segunda coleta para cobrir o valor faltante; na ITB. Não pagamos salários ou ajuda de custos de nenhuma espécie aos nossos ministros e colaboradores!!! Todos, sem exceção; são voluntários e trabalham para manterem suas vidas e suas famílias, assim fazendo, buscamos seguir o exemplo do apóstolo da igreja dos gentis o imitador de Cristo, Apóstolo Paulo. (Não somos, Católicos, Evangélicos, Evangelicalistas, Pentecostais, Neopentecostais; Somos, Cristãos Bíblicos-Reformados, Hipercalvinistas, Supralapsarianos de Dort-1618 a 1619, Somos Fundamentalistas e só usamos a Bíblia ACF. (Almeida Corrigida Fiel); A única original e fiel a tradução do piedoso calvinista, João Ferreira de Almeida, Impressa no Brasil pela: SBTB. (Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil) Consideramos todas as demais; impróprias para a fiel ministração do Evangelho Genuíno de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo). Nós, os Trinitarianos Reformados, Afirmamos e reafirmamos que: “Cristo, e somente Cristo, está apto a ser o mediador entre Deus e o homem. Ele é o profeta, sacerdote e rei da igreja de Deus”; portanto, Se você é um filho (eleito ou eleita); de Deus, Cristo em seu tríplice ofício como Profeta, Sacerdote e Rei significará tudo para você. 

**************************************************************
**************************************************************
Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; “hipercalvinistas” supralapsarianos!!! 

(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************
E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. 
(Zac. 4. 6 ACF).
**************************************************************
**************************************************************

Sobre o Casamento a Família o Aborto a Doutrina Social da Igreja a Política e a Ideologia de Gênero! Temos a Bíblia Sagrada, fonte inerrante e divinamente inspirada pelo Espírito Santo; como parâmetro final; também, seguimos e adotamos, (Ainda que, de maneira não, infalível!!!) os ensinos e posicionamentos doutrinários das Confissões de fé, Catecismos e demais documentos oficiais das igrejas cristãs reformadas, Portanto, A (ITB) Igreja Trinitariana Brasileira é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.

Atenciosamente, Respeitosamente e Fraternalmente. 

Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.

**************************************************************

******************************************
******************************************

******************************************
A ITB. Igreja Trinitáriana Brasileira é uma Igreja de Fé Reformada, Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente, Social Democrata, subscrevemos e adotamos a confissão de fé de Westminster e seus catecismos, maior e breve, como instrumentos distintivos oficiais de nossa fé. Fundada em 2010 no estado do Rio de Janeiro pelo Rev. Albuquerque G. C. Basicamente, quando falamos de Fé Reformada, referimo-nos à verdadeira prática do evangelho/cristianismo, como foi recuperada durante a Reforma Protestante dos séculos XVI e XVII. A Fé Reformada adota todas as doutrinas apostólicas estabelecidas na Bíblia e formuladas em credos pelos grandes concílios da Igreja Cristã Reformada; tendo como o principal deles o de Dort 1618 a 1619. Ela é um relacionamento com Deus, através da mediação de Jesus Cristo, baseado no Evangelho revelado por Ele e pelas Escrituras Sagradas. A ITB administra e coordena outras organizações eclesiásticas a ela ligadas; são elas:

*Grupo Editorial GCA; *Academia Brasileira de Teologia Reformada (ABTR); *Editora Trinitariana Mundial (ETM); *Livraria Trinitariana Brasileira (LTB); *União Trinitariana de Homens (UTH); *União Trinitariana de Mulheres (UTM); *União Trinitariana de Jovens (UTJ); *União Trinitariana de Adolescentes (UTA); *União Trinitariana de Crianças (UTC); *União Trinitariana de Ação Social (UTAS); *União Trinitariana de Capelania (UTC).

Dias e datas especiais para os Trinitarianos: *12 de Março, dia da Mulher Trinitariana; *31 de Março, dia do Homem Trinitariano; *12 de Abril, dia dos Jovens Trinitarianos; *28 de Abril, dia dos Adolescentes Trinitarianos; *12 de Maio, dia das Crianças Trinitarianas; *28 de Maio, dia do Pastor (Reverendo); Trinitariano; *12 de Junho, dia do Diácono Trinitariano; *28 de Junho, dia do Presbítero Trinitariano; *12 de Julho, dia do Seminarista Trinitariano; *28 de Julho, dia dos Trinitarianos e Aniversário da ITB. Igreja Trinitariana do Brasil.

 *****************************************

******************************************
A ITB. Igreja Trinitariana Brasileira, adota a Bíblia Sagrada (ACF. Almeida Corrigida Fiel da SBTB. Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, não usamos ás versões pervertidas e tendenciosas do nefasto texto crítico; inspirados pelo criticismo textual moderno e amplamente difundidos pela Ideologia "Teologia da Prosperidade"- Político - Partidária da escola neoliberal de economia da Universidade de Chicago e o Westminster Theological Seminary, em Glenside, Pensilvânia, Estados Unidos, este veneno travestido de evangelho é amplamente difundido nos países do terceiro mundo, pelos movimentos heréticos: pentecostais, neopentecostais e demais seitas que se dizem "cristãs"); às confissões de fé, Os catecismos e os demais documentos oficiais das Igrejas reformadas; (Sabendo-se que, todos os documentos citados! Estarão sempre, sobre o crivo final e definitivo da Bíblia Sagrada), como instrumentos de doutrinas 100% ortodoxas; Os discípulos de Jesus Cristo, que vierem a ser designados pelo nome de: Trinitariano (os), se caracterizam pela sua fidelidade às Escrituras (ACF); e por isso só recebem em suas comunidades eclesiásticas, como membros atuantes, pessoas convertidas pelo Espírito Santo de Deus e por ele regeneradas; Somente essas pessoas serão por eles batizadas. Adotamos estas posições, tendo em vista que, às mesmas estão bem fundamentadas nos Evangelhos e nos demais livros do Novo Testamento; A mesma fundamentação possuem todas as outras doutrinas que professamos. 

****************************************
****************************************

Seguem, alguns dos parâmetros eclesiástico-doutrinários que caracterizam os Cristãos (Eleitos e Eleitas); Trinitarianos no Brasil e no Mundo, estes pontos são irrevogáveis e sobretudo, inegociáveis!!!

****************************************

*1º) A aceitação das Escrituras Sagradas como única regra de fé e conduta (ACF);

*2º)  Adotamos a confissão de fé de Westminster e seus catecismos, maior e breve, como instrumentos distintivos oficiais de nossa fé.

*3º) O conceito de Igreja como sendo uma comunidade local social/democrata e autônoma, formada de pessoas regeneradas e biblicamente batizadas;

*4º) A separação total, entre Igreja e Estado.

*5º) A absoluta liberdade de consciência.

*6º) A responsabilidade individual diante de Deus.

*7º) A autenticidade e Apostolicidade das Igrejas.

*8º) Os Trinitarianos Reformados quanto aos Decretos de Deus, são 100% Supralapsarianos.

*9º) O Uso obrigatório, do colarinho clerical; por parte dos nossos seminaristas e ministros, como meio de distinção eclesiástica na sociedade brasileira e mundial.

*10º) A Proibição total, de indivíduos pertencentes a todo e qualquer tipo de sociedades secretas; tanto na membresia; como no corpo ministerial / eclesiástico.

*11º) Não aceitamos em hipótese alguma; como Membros, Seminaristas, Presbíteros, Diáconos, Pastores, Reverendos ou Oficiais / Dirigentes de quaisquer entidades ligadas a ITB: repudiamos e rejeitamos veementemente! Os Membros de Sociedades Secretas / Maçons e etc... 

*12º) Na ITB Só aceitamos a Bíblia na versão ACF. Almeida Corrigida Fiel; Impressa no Brasil pela SBTB. Sociedade Bíblica Trinitáriana do Brasil

*13º) Os Trinitarianos caracterizam-se também, pela intensa e ativa cooperação entre suas congregações / Igrejas. Não havendo nenhum poder que possa constranger a Igreja local, a não ser a vontade de Deus, manifestada através de seu Santo Espírito, os Trinitarianos, baseados nesse princípio da cooperação voluntária das Igrejas, realizam uma obra geral de missões, em que foram pioneiros entre os cristãos reformados, nos tempos modernos; de evangelização, de educação teológica, religiosa e secular; de ação social e de beneficência. Para a execução desses fins, organizam Associações regionais e Convenções estaduais e nacionais, não tendo estas, no entanto, autoridade sobre as Igrejas, devendo suas resoluções serem entendidas como sugestões ou apelos. Para os Trinitarianos, as Escrituras Sagradas (ACF); em particular o Novo Testamento e sobretudo, ás cartas paulinas, (o apóstolo dos gentis é Paulo); constituem a única regra de fé e conduta.

*14º) Na ITB, não cobramos dízimos e ofertas de forma sacramental (obrigatória! mandamento de Deus); Na ITB, os eleitos e eleitas do Sr. Deus, que compõem a igreja (visível e espiritual); de Jesus Cristo, ofertam de maneira voluntária e anônima!!! (o devorador não é um demônio; é uma fábula, falsa doutrina; um grilhão psicológico criado maliciosamente pelos romanistas, pentecostais, neopentecostais e outras seitas arminianas... algumas igrejas reformadas também usam este método cruel e herético de arrecadação); Na ITB, não usamos de vãs filosofias e psicologias baratas (PNL. Programação Neurolinguística aplicada a comunicação, Sugestão e manipulação de palco, Indução e Hipnose Coletiva, Interpretações Alegóricas da Bíblia (filosofia sofistica, espiritualização exacerbada do texto sagrado); para escravizar os eleitos e eleitas!!! Na ITB, não se fazem escravos; Na ITB, se fazem discípulos e discípulas do evangelho genuíno TULIP.

****************************************

****************************************
Sacramento do Batismo Ministrado na Igreja Trinitariana Brasileira 
(batismo infantil e adulto, Principais considerações):
****************************************

O que diz o Catecismo Maior de Westminster:

Pergunta 165 – O que é Batismo?

Resposta: Batismo é um sacramento do Novo Testamento no qual Cristo ordenou a lavagem com água em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, para ser um sinal e selo de nos unir a si mesmo, da remissão de pecados pelo seu sangue e da regeneração pelo seu Espírito; da adoção e ressurreição para a vida eterna; e por ele os batizando são solenemente admitidos à Igreja visível e entram em um comprometimento público, professando pertencer inteira e unicamente ao Senhor (Mt 28:19; Gl 3:26 e 27; At 2:41; Rm 6:4).

Pergunta 166 – A quem deve ser administrado o Batismo?

Resposta: O Batismo não deve ser administrado aos que estão fora da igreja visível, e assim estranhos aos pactos da promessa, enquanto não professarem a sua fé em Cristo e obediência a Ele; porém as crianças, cujos pais, ou um só deles, professarem fé em Cristo e obediência a ele, estão, quanto a isto, dentro do pacto e devem ser batizadas (At 2:38 e 39; 1 Co 7:14; Lc 18:16; Cl 2;11 e 12).

Outras informações sobre o sacramento do batismo praticado na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira, podem ser consultadas no link abaixo:

Sacramento do batismo praticado na ITB.

****************************************

Uso correto do Sacramento da Santa Ceia do Senhor na ITB:
****************************************
****************************************
É comum encontrarmos entre nós quem desconheça o que significa a Santa Ceia ou os proveitos de participar da mesa do Senhor. João Calvino define Sacramento como: “um sinal externo pelo qual o Senhor nos apresenta e testifica a sua boa vontade para conosco, a fim de nos sustentar na fraqueza de nossa fé. [...] um testemunho da graça de Deus declarada através de um sinal externo.”

Então, a partir de uma visão correta do que são os sacramentos, é possível perceber que a participação neles exige graça e fé dos participantes. Portanto, os sacramentos são exercícios da fé, diante de nosso Pai celestial e dos homens, confirmando as promessas de Deus. Essas promessas são declaradas pela Palavra de Deus, daí a necessidade de que esses Sacramentos sejam precedidos pela pregação da Palavra, a fim de que sejam conhecidas as promessas e aplicadas a nossas vidas pelo Espírito Santo. Quando recebemos as promessas pela pregação, somos incitados a dar altos louvores a Deus e testemunho diante dos homens. Ao participar da Ceia, pense em um programa de aprendizado com a Ceia.

1º Exercício: Memória – Lembre-se dos atos redentivos de Deus. (Leia o Salmo 78 antes de participar do culto de Santa Ceia Assim, você poderá considerar os atos redentivos de Deus na história de seu povo escolhido). A história da redenção encontra seu ápice na encarnação, morte e ressureição de Cristo. Portanto, para uma participação correta no Sacramento da Ceia, é importante que o cristão tenha em mente, de forma clara, o significado da morte e ressureição de Cristo, bem como a compreensão do calvário como o resultado dela.

2º Exercício: Perdão – Na pergunta 171 do Catecismo Maior de Westminster, encontramos diretrizes sobre como proceder perdoando na Ceia. “171. Os que recebem o sacramento da Ceia do Senhor, como devem preparar-se para o receber? Os que recebem o sacramento da Ceia do Senhor devem preparar-se para o receber, examinando-se a si mesmos, se estão em Cristo, a respeito de seus pecados e necessidades, da verdade e medida de seu conhecimento, fé, arrependimento e amor para com Deus e para com os irmãos; da caridade para com todos os homens, perdoando aos que lhes têm feito mal; de seus desejos de ter Cristo e de sua nova obediência, renovando o exercício destas graças pela meditação séria e pela oração fervorosa.” Ou seja, devemos exercer o perdão, a exemplo de como fomos perdoados em Cristo. Isso porque, além de recebermos o perdão de nossos pecados, somos instruídos a perdoar.

3º Exercício: Gratidão – Dar graças deve ser a atitude do coração restaurado por Deus. Quando experimentamos o amor de Deus em Cristo, somos inundados de verdadeira gratidão, e podemos declarar da mesma maneira que o salmista: “Como é bom render graças ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo,” Salmos 92:1. Fomos criados para louvar a Deus, assim, as ações de graças devem permear nossa vida, e a Ceia é um momento de louvor ao nosso Deus.

4º Exercício: Fortalecimento – Como Trinitarianos, cremos que na Santa Ceia a fé do comungante é alimentada de maneira espiritual. Desse modo, a fé é um elemento indispensável para aqueles que desejam ser verdadeiramente alimentados por esse sacramento, que devem fazê-lo se apropriando das promessas nas Escrituras.

5º Exercício: Capacitação – A Santa Ceia aponta nossa união mística com Cristo e, portanto, com seu “corpo” - a igreja. Na Ceia somos chamados a exercer a edificação do corpo, desempenhando nossos talentos e dons para o crescimento uns dos outros, em Cristo. Quando compreendemos que estamos ligados ao corpo por meio da obra redentiva de Cristo, tomamos consciência do nosso papel para o desempenho do corpo, deixamos de ser inertes, e passamos a agir para a edificação uns dos outros.

6º Exercício: Esperança – Ao participarmos da Ceia, devemos nos lembrar que nosso Senhor ressurreto está à destra de Deus Pai, que há de vir para julgar os vivos e os mortos. Por isso é que aguardamos esse retorno. E que na celebração da Ceia experimentamos um vislumbre do que haveremos de experimentar “Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e juntamente com ele, aqueles que nele dormiram.”1 Tessalonicenses 4:14.

****************************************


  **************************************** 

A Ordem dos Decretos de Deus, Supralapsarianismo ou Infralapsarianismo??? 

(Os Trinitarianos são 100% Supralapsarianos); Por: Rafael Gabas.

  ***************************************

Poderíamos declarar que Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil ‘antes de Cristo', ‘anteriormente' ao nascimento de Moisés, e ‘antes' que houvesse algum homem na terra? Poderíamos dizer que a bomba atômica foi jogada sobre o Japão ‘antes da criação do mundo', e que você, leitor, esteve lendo este artigo ‘desde a eternidade'? Essas perguntas parecem ridículas, mas, seguindo o raciocínio dos que ensinam a predestinação calvinista nos dias atuais, elas deveriam ser respondidas da seguinte forma: “Sim, tudo o que existiu e existirá já ocorreu eternamente diante de Deus, que decretou todos estes eventos. Porém, não devemos esquecer que tais decretos mantém uma lógica entre si, de modo que os decretos da criação do mundo e do nascimento de Pedro Álvares Cabral vieram antes do decreto do Descobrimento do Brasil. Todas as coisas são conhecidas perfeitamente por Deus desde todo o sempre, mas Ele as vê entrelaçadas numa cadeia racional de acontecimentos.” É assim que a maioria dos reformados (Infralapsarianos); entendem que Deus destinou as pessoas à salvação:

(1) Ele decretou a demonstração de Sua glória na criação;

(2) A formação de Adão;

(3) A queda espiritual deste;

(4) A escolha de alguns para serem salvos;

(5) A destinação dos outros ao castigo de seu (s) pecado (s);

(6) O envio de Cristo para morrer pelos escolhidos;

(7) A chamada eficaz destes, levando-os à conversão.

Para os calvinistas atuais, (Infralapsarianos); a Bíblia afirma que Deus elegeu Seu povo “antes da criação do mundo” (Ef 1.4), “de antemão” (Rm 8.29) e “antes dos tempos dos séculos” (2Tm 1.9; Tt 1.1), porque, apesar da eleição ocorrer logicamente após a criação e a queda, atingindo um grupo de indivíduos já existentes, manchados com o pecado de Adão, ela foi decretada desde a eternidade. Essa é uma falácia tão grotesca, que me assusta como pude aceitá-la por tanto tempo, crendo que esse era um calvinismo bíblico e sadio. Seria o mesmo que afirmar que o mundo foi criado ‘antes dos tempos eternos', ou que Adão pecou ‘antes da criação do mundo'. Se os decretos da criação e da queda vieram antes do decreto da eleição e da reprovação, qual o sentido de a Bíblia enfatizar, repetidamente, uma anterioridade nestes últimos atos (marcada pelo termo “pré”), que só seria real para Deus? A eleição e a reprovação não ocorreram após a primeira transgressão, quando a humanidade se tornou uma massa condenada, mas “antes da criação do mundo”, “antes dos tempos dos séculos”; essas expressões seriam supérfluas, se Deus houvesse escolhido os Seus após decretar a criação e a queda, pois, nesse caso, se deveria dizer que a eleição ocorreu após a entrada do pecado.

Para a maior parte dos calvinistas, Deus amou os Seus filhos desde a eternidade, no mesmo sentido em que Ele curou a Ezequias desde a eternidade, inspirou as cartas de Paulo desde a eternidade, e criou o mundo desde a eternidade – ou seja: apesar dessas coisas acontecerem no tempo, em função de decretos prévios, elas foram arquitetadas fora do tempo, antes da criação do mundo, sendo consideradas certas por Deus.

Isso é um jogo de palavras para fugir da realidade em que a Bíblia apresenta a verdade da predestinação: como a decisão inicial de Deus, o Pai, para revelar Sua glória através de Seu Filho, elegendo alguns homens para serem livrados do castigo e revestidos de Sua glória, e lançando os outros na destruição eterna. A ordem correta dos decretos segundos os calvinistas supralapsarianos, é esta:

(1) Revelar a glória de Deus na morte e ressurreição do Filho encarnado, em favor dos pecadores (Jo 17.25; Rm 11.36; Cl 1.16; 1Pe 1.20; Ap 13.8);

(2) Escolher alguns indivíduos para serem livrados da condenação (Ef 1.4);

(3) Rejeitar os outros, para servirem para demonstrar Sua ira;

(4) Tornar todos, eleitos e reprovados, em culpáveis;

(5) Criar o homem;

(6) Criar o Universo;

(7) Fazer o homem pecar;

(8) Enviar o Filho para sofrer os pecados dos eleitos;

(9) Chamá-los à vida eterna pelo Espírito Santo.

Essa ordem, à primeira vista, pode parecer ilógica, pois coloca o decreto da queda vindo antes do decreto da criação. Contudo, partindo do primeiro ponto, fica fácil enxergar que os outros são consequências do propósito original de Deus, para exibir Seu amor libertador e Sua ira vindicativa em (e através de) Cristo, como o Salvador ressuscitado. Porém, não havia mundo para Ele se encarnar, e nenhum indivíduo que pudesse ser amado ou odiado, razão pela qual Deus imaginou a humanidade que formaria e selecionou alguns de seus membros para serem atingidos pela obra de Cristo, destinando o restante à destruição;

Isso deixa claro que a eleição e a reprovação foram incondicionais, sem observar nenhuma condição preenchida pelos homens, pois nenhuma pessoa possuía qualquer característica, boa ou má, nem Adão havia quebrado a aliança, nem o Universo havia sido criado; ao contrário: tudo isso foi projetado para cumprir a eleição e a reprovação.

A Bíblia ensina que a criação e a queda foram decretadas para que Deus enviasse Seu Filho como Salvador do mundo, demonstrando Seu amor eterno (que não começou com a queda) sobre os eleitos, e demonstrar o poder de Sua ira sobre os reprovados. Após eleger Seus filhos e odiar os outros, Deus deveria torná-los, todos, em seres culpáveis, dignos da condenação eterna, a fim de que houvesse um estado de miséria do qual os eleitos fossem removidos, e os reprovados fossem castigados.

Num próximo artigo, analisaremos as bases bíblicas dessas coisas, comentando as passagens de Rm 8.28-9.24, versículo por versículo. Aqui, pretendi apenas esclarecer a mecânica do sistema que defendo.

Ilustres, Supralapsarianos: Lucidus, Gottschalk, Thomas Bradwardine, Pedro Valdo, Wycliffe, Huss, Jerônimo Zanchi, Teodoro de Beza, Francis Gomarus, Willian Twisse, Louis Berkhof, Gordon Clark, Robert L. Reymond, W. Gary Crampton e Vincent Cheung, Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C. Nós, os Trinitarianos Reformados, confessamos que, Deus “tudo criou por meio de Jesus Cristo; Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor” (Ef 3.9-11), o qual se encontra descrito no capítulo 1.3-12. A Bíblia ensina que a criação e a queda foram decretadas para que Deus enviasse Seu Filho como Salvador do mundo, demonstrando Seu amor eterno (que não começou com a queda); sobre os eleitos e eleitas, e demonstrar o poder de Sua ira sobre os reprovados. Nó, os Trinitarianos Reformados, somos 100% Supralapsarianos!

Link para o conteúdo original do artigo em epígrafe.

  ***************************************

***************************************************

***************************************************

Nossa gloriosa e Bíblica, Confissão de Fé de Westminster

***************************************************

Nosso glorioso e Bíblico, Catecismo Maior de Westminster

***************************************************

Nosso glorioso e Bíblico, Breve Catecismo de Westminster

***************************************************


TULIP é o único e verdadeiro evangelho de nosso senhor e salvador JESUS CRISTO!!!
*****************************************

******************************************

Colarinho Clerical: Uso e Origem (católico ou protestante?)

******************************************

Vestes Litúrgicas na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira: Veste litúrgica ou Paramento Litúrgico refere-se a todas as roupas prescritas, obrigatórias ou facultativas, para a celebração de qualquer liturgia ou culto. Trata-se, portanto, de uma roupagem cerimonial, de caráter eclesiástico e dedicado ao sagrado. Colarinho Clerical: Uso e Origem (católico ou protestante?): O colarinho clerical é uma invenção bastante moderna criada em 1827 na Escócia (século 19). O responsável por essa invenção foi Donald McLeod, um Reverendo Presbiteriano (há quem pense que era anglicano). Foi desenvolvido para ser usado no trabalho cotidiano do ministro (mais prático que a batina). Hoje é usado por pastores e padres em diversas denominações cristãs como presbiteriana, luterana, metodista, Nova Vida, ITB e etc... O colarinho clerical foi elaborado com a finalidade do uso eclesiástico por parte do ministro de fé reformada, e posteriormente copiado pela igreja católica apostólica romana a partir do Concílio Vaticano II, por influência dos jesuítas. Hoje, podemos encontrar um forte preconceito em muitas igrejas e "crentes", principalmente porque associam o uso desta camisa ao Catolicismo Romano. Portanto, encontramos muitas pessoas que, sem saber da origem e do significado, tem uma reação fortemente emocional e contrária ao uso do colarinho clerical. Recentemente, temos visto um número crescente de pastores e igrejas que tem começado a entender a importância do uso da camisa no meio da comunidade onde trabalham. Em sua simbologia, o colarinho clerical possui um significado muito forte. O uso de símbolos é um sinal e um testemunho vivo de Deus no mundo secularizado. Pois uma das características do movimento da secularização é o desprezo por sinais e símbolos religiosos. Para as pessoas o fato de ver um ministro com o colarinho clerical já é um testemunho de fé. Assim como vendo um militar lembramo-nos da Lei, e vendo um enfermeiro (a) com seu uniforme branco lembramos o hospital. São muitos os profissionais que usam um uniforme especifico para serem identificados na sua função, como os policiais, juízes, entre outros. Portanto, não deveria ser uma surpresa o uso de vestes cristãs. Assim como no Mundo Antigo os servos (escravos) possuíam um colar de ferro em volta do pescoço, os ministros evangélicos que utilizam o colarinho clerical estão declarando publicamente que são servos do Senhor Jesus Cristo e de Sua Sagrada Escritura (Novo e Velho Testamentos). Por essa razão o colarinho clerical é branco, porque fala da santidade do Senhor Jesus Cristo e de Sua Palavra na garganta de seu servo. Essa é a essência do colarinho, falar que aquele que o usa não é dono de si mesmo e que seu Senhor é santo. Tradicionalmente, o cristianismo tem ensinado que aqueles que têm participação direta na condução do culto estejam trajados de forma que sejam identificados como servos imbuídos dessa tarefa. Isso não ocorre apenas no catolicismo, como alguns desejam argumentar, mas no meio evangélico também. Enquanto algumas denominações evangélicas optaram pelo uso do terno e gravata, outras optaram pelo uso do colarinho clerical, que é aquela peça branca de plástico. Por isso, devido à falta de informação, o preconceito quanto ao uso do colarinho clerical e a afirmação da gravata como indumentária espiritual não possui base sólida e nem tampouco bíblica (pasmem os preconceituosos!!!). O “símbolo” é um elemento essencial no processo de comunicação. Em outras palavras, quando um ministro cristão veste uma camisa clerical, qualquer que seja o lugar onde ele se encontre as pessoas são conscientes da sua presença, sendo assim uma proclamação visível da presença de Deus no meio da sociedade. Assim como vendo um militar lembramo-nos da Lei, e vendo um enfermeiro (a) com seu uniforme branco lembramos o hospital. A ITB, optou pelo uso eclesiástico do colarinho clerical; usa-se o colarinho clerical na ITB porque, entendemos que, o pastor, ministro do Evangelho é assim reconhecido aonde quer que vá como Embaixador do Evangelho de Jesus Cristo.
******************************************

Quadro explicativo, dos verdadeiros propósitos; dos dízimos!


******************************************
Por que não cobramos o dizimo de forma obrigatória (“Mandamento de Deus”) na ITB?
******************************************

Definindo o dízimo, conforme o termo é usado hoje, eu somente estabelecerei aqui o que eu, como um crente normal, tenho percebido ser a visão em 20 anos em que eu sou cristão.

De acordo com esta visão, dízimo é dar 10% de seu rendimento (pré-fixado ou pós-fixado – as opiniões são diferentes) para a organização da igreja a que você seja afiliado (a irmandade da igreja que você provavelmente assiste aos domingos). Este dinheiro então é usado para dar sustentação ao orçamento da igreja (aluguel, contas, salário de pessoal, missões, etc.). Para muitos, não dar o dízimo é considerado um pecado. Muitas vezes você ouvirá as pessoas recitarem Malaquias 3:8-12, que diz:

“Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes. E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.”

Muitos usam estes versículos para dizer que não trazer os “dízimos e ofertas” para a causa de Deus (conceito que eles tomam para significar a construção da igreja local) é um pecado e retira o povo de suas “bênçãos”. O problema de usar a passagem acima, assim como outras passagens semelhantes do Velho Testamento, para dar sustentação à aplicação do dízimo é que esta passagem e a lei mosaica em que esta passagem é baseada eram válidas quando isto foi escrito e pertence ao Velho Testamento. O Velho Testamento é maravilhoso e é parte das Escrituras Sagradas inspiradas por Deus. Conforme Paulo diz em Romanos 15:3-4

“Porque também Cristo não agradou a si mesmo, mas, como está escrito: sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam. Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança.”

O que quer que esteja escrito na Escritura foi escrito para o nosso aprendizado. Nós podemos aprender pela leitura do Deuteronômio. Nós podemos aprender pela leitura de Malaquias ou qualquer outro livro do Velho Testamento. Contudo, embora tudo estivesse escrito para o nosso aprendizado, nem tudo está escrito para a nossa aplicação. O Velho Testamento é endereçado aos judeus que estavam vivendo sob a lei mosaica. Jesus Cristo não havia chegado ainda. O preço pela indenização de nossos pecados ainda não tinha sido pago. O sumo sacerdote ainda não havia chegado. Como Paulo diz em Gálatas 3:23-26:

“Mas antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio. “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.”

Houve o tempo antes do sacrifício e ressurreição de nosso Senhor. Este era o tempo da lei. E houve o tempo após o sacrifício e ressurreição do Senhor. Este é o tempo em que nós vivemos agora. Há vastas diferenças entre estes dois períodos, pela simples razão de que o que era válido no primeiro período, a lei, não é mais válido no segundo período. E o que é válido no segundo período – a graça e ser criança de Deus através da fé em Jesus Cristo – não estava disponível no primeiro período. Nós podemos aprender do que foi válido no primeiro período? Definitivamente sim. Isso se aplica a nós? Não necessariamente. Você pode ler os Salmos e os Provérbios e obter guia para sua vida hoje. É a sabedoria eterna de Deus que atravessa o tempo. Por outro lado, você pode ir para as passagens específicas da lei, tais como as passagens sobre o dízimo, ou as passagens sobre o sacrifício de touros, ou a celebração que eles tinham em Israel. Embora você possa aprender destas passagens, elas não se aplicam diretamente a nós. O mesmo é válido para tudo o que se refira à lei mosaica, pela simples razão de que esta lei foi abolida com o sacrifício de Cristo. É como ler os códigos de leis que não têm mais validade. Você pode aprender por eles, mas eles não serão aplicados, porque estão obsoletos. Conforme diz Colossenses 2:13-14:

“E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas, havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.”

E novamente em Efésios 2:14-15

“Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz”.

Agora se a lei é abolida, vamos aplicá-la novamente? Nós podemos aprender disto, mas não é mais uma lei que é para nossa aplicação. Ele está abolido! E o dízimo é parte desta lei também. O dízimo é uma palavra que ocorre muito em tais livros da lei, como os Levíticos, Números e Deuteronômio. Aqui estão algumas referências:

Levítico 27:30-34

“Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; santas são do Senhor. Porém, se alguém das suas dízimas resgatar alguma coisas, acrescentará a sua quinta parte sobre ela. No tocante a todas as dízimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor. Não se investigará entre o bom e o mau, nem o trocará; mas, se de alguma maneira o trocar, tanto um como o outro será santo; não serão resgatados. Estes são os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte Sinai.”

Note no último versículo que dízimo é parte dos mandamentos, parte da lei que Deus deu a Moisés para as crianças de Israel no monte Sinai. Esta era a lei que foi abolida pelo sacrifício de Cristo. E o dízimo, sendo parte desta lei, foi dado não para a aplicação geral, mas para as crianças de Israel, até seu cancelamento pelo sacrifício e ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo. Aqui estão mais algumas passagens sobre o dízimo:

Número 18:20-32

“Disse também o senhor a Arão: na sua terra herança nenhuma terás, e no meio deles, nenhuma parte terás; eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel. E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação. E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram. Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniquidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão, Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao Senhor em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão. Então o Senhor falou a Moisés, dizendo: também falarás aos levitas, e dir-lhes-ás: quando receberdes os dízimos dos filhos de Israel, que eu deles vos tenho dado por vossa herança, deles oferecereis uma oferta alçada ao Senhor, os dízimos dos dízimos. E contar-se-vos-á a vossa oferta alçada, como grão da eira, e com plenitude do lagar. Assim também oferecereis ao Senhor uma oferta alçada de todos os vossos dízimos, que receberdes dos filhos de Israel, e deles dareis a oferta alçada do Senhor a Arão, o sacerdote. De todas as vossas dádivas oferecereis toda a oferta alçada do Senhor; de tudo o melhor deles, a sua santa parte. Dir-lhes-ás pois: quando oferecerdes o melhor deles, como novidade da eira, e como novidade do lagar, se contará aos levitas. E o comereis em todo lugar, vós e as vossas famílias, porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação. Assim, não levareis sobre vós o pecado, quando deles oferecerdes o melhor; e não profanareis as coisas santas dos filhos de Israel, para que não morrais.”

A passagem de Levítico nós lemos anteriormente aliada com o mandamento às crianças de Israel para o dízimo. Onde se supõe que estes dízimos iriam e para que eles seriam usados? Isto é respondido pela passagem acima de Números: Conforme o versículo 21 nos diz:

Número 18:21

E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação.”

O dízimo seria para as crianças de Levi, os levitas, que estavam formando a tribo sacerdotal de Israel, 1/12 dela. Isto deveria ser sua recompensa pelo serviço do tabernáculo e depois do templo. Números 18:31 diz isso claramente: “porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação”. Isto seria contado por eles conforme “como novidade da eira, e como novidade do lagar” (Números 18:30). De fato os levitas tinham que dar seu próprio dízimo deste. Isto foi dado a Arão e era para ser a oferta alçada do Senhor. Muitos pegam a passagem acima e erradamente tentam aplicá-la à era do Novo Testamento, em nossa era, dizendo que nós devemos continuar a dar o dízimo para pagar os salários dos padres, pastores e todo o clero em geral. Mas esta visão não pode ser correta como no Novo Testamento não há simplesmente nenhuma classe de cleros e padres. Como Pedro e João nos dizem, falando para nós, os crentes no Senhor Jesus Cristo:

I Pedro 2:5

“Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.”

I Pedro 2:9

“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido”

Revelação 1:5-6

“Aquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados, e nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amém.”

Também conforme o Senhor disse aos discípulos:

Mateus 23:8-12

“Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a Saber Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém chamais vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado."

Estas passagens não se referem a alguma classe especial de pessoas, mas a todos os crentes. Todos os crentes são feitos padres pelo Senhor Jesus Cristo para Seu Deus e Pai. Isto significa agora que nós não devemos sustentar financeiramente os crentes que se movem por exemplo de cidade a cidade estabelecendo igrejas e servindo o Senhor como missionários? Não significa isto e nós veremos isso mais tarde neste estudo. O que quer dizer é que sustentar e dar presentes no Novo Testamento não são mais regulamentados pela lei do dízimo. Em vez disso, não há outros princípios no local para os presentes do Novo Testamento e a doação e nós veremos estes conforme formos nos aprofundando neste estudo. Esta parte do estudo dá ênfase no que a Bíblia NÃO diz para nós em relação à doação - ainda que as pessoas possam dizer isso. Conforme vamos continuando, daremos enfoque ao que a Bíblia diz por nós.

De volta ao dízimo; era o acima – o dízimo para os levitas – o único dízimo? Parece que não é, como em Deuteronômio 14:22-29 nós vemos novamente o dízimo mencionado, mas em outro contexto e para o que parece ser outro propósito. Conforme lemos nesta passagem, todo ano os israelitas deviam comer “os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas”(Deuteronômio 14:23) e ir ao local que Deus definiria e lá: “Come-o ali perante o Senhor teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa” (Deuteronômio 14:26). Se eles estivessem distantes era permitido que eles vendessem os vários itens, conseguissem dinheiro e “darás por tudo o que deseja a tua alma: por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma”(Deuteronômio 14:26). Isto parece ser um dízimo festivo. As pessoas teriam este dízimo e usar-no-iam para comer e beber diante do Senhor no lugar em que ele definiria. Note que este dízimo é usado pelas pessoas mesmas. É diferente do que nós lemos em Levítico e em Números anteriormente, onde o dízimo estava destinado aos levitas. Isso é, portanto, um dízimo diferente. De fato, todo terceiro ano este dízimo era para ser usado de forma diferente: no final daquele ano este dízimo devia ser coletado “então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão ” (Deuteronômio 14:29). Além do mais a cada sete anos deveria ter o Sabbath, no qual nada era semeado nem colhido pelo proprietário da terra (Levítico 25:1-5), mas todas as pessoas eram chamadas para comer o que a terra trouxesse de si mesma (Levítico 25:6-7), assim como do grande excedente do sexto ano que Deus havia prometido dar (Levítico 25: 20-22).

Conclusão:

Vamos resumir o que aprendemos até agora. Como vimos, o dízimo era parte da lei do Velho Testamento, parte das ordenanças que Deus deu às crianças de Israel através de Moisés. Conforme parece para mim, havia dois dízimos. O primeiro dízimo seria para os levitas, enquanto o segundo era usado pelo povo mesmo, em regozijo, diante do Senhor ou no terceiro ano era colhido para os pobres e (novamente) para os levitas. O dízimo é parte da lei e como tal ele pertence à mesma categoria como sacrifícios animais e as muitas e várias regulamentações que esta lei ditou. Nós também vimos que o Novo Testamento dá ênfase clara que a lei com suas ordenanças foi abolida pelo sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo. Por causa disto nós não estamos mais sacrificando animais hoje. Se alguém pergunta por que nós não fazemos isto, nós corretamente dizemos “porque isto é parte da lei mosaica e esta lei não tem mais valor. Jesus Cristo, através de Seu sacrifício na cruz, aboliu em sua carne a inimizade, a lei dos mandamentos contidos nas ordenanças. Nós não mais estamos sob a lei”. A mesma razão que nós usamos para não sacrificar animais é também verdadeira para o dízimo. O dízimo era, juntamente com o sacrifício animal, assim como outras ordenanças, parte da lei mosaica. O que quer que seja válido para um é válido também para o outro. A lei mosaica tornou-se obsoleta a aproximadamente 2.000 anos atrás, com o sacrifício de Cristo. Junto a isto, os sacrifícios de animais, o dízimo e as outras ordenanças da lei também se tornaram obsoletas! Nós podemos aprender delas, mas isso não significa que elas sejam para nossa aplicação direta. É, portanto, o dízimo bíblico? Sim, é. Ele é bíblico como ele está na Bíblia. No entanto, o dízimo é relevante e válido para o cristão? Aqui a resposta é não! O que é para nossa aplicação direta em relação à doação é o que nós vemos escrito no Novo Testamento. E o que nós vimos lá não é dízimo e contribuintes, mas doação alegre de coração, de acordo com a capacidade de cada um. Agora vamos atentar para isto; Amém e graças a DEUS.

2 Coríntios 3:14: Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido; (ACF).

Autor: Rev. Prof. Dr. Anastasios Kioulachoglou. 
Tradutor: Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.

******************************************
******************************************

O Eleito de Deus, Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C. Casado com a Srª. Girlene Monteiro Albuquerque, Possui Bacharelado em Teologia Pela: Faculdade de Teologia Integrada - FATIN - PE Graduação em Licenciatura Plena em Filosofia pela: FAERPI. Faculdade Entre Rios do Piauí. Graduação em Psicologia pela Universidade Estácio de Sá. UNESA - RJ. Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade UNIBF-PR Mestrado Intra-corpus (Eclesiástico), em Teologia pela: Filemom Escola Superior de Teologia - FEST - MG.  Doutorado Intra-corpus (Titulação Própria), em Psicanálise Clínica pela Faculdade Paulo Neto - FAPAN-MS. MBA em Administração e Contabilidade Tributária pela Faculdade UNIBF-PR Pós-graduação (Especialista) em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Cândido Mendes - UCAM - RJ. Mestrando do Programa de Mestrado Acadêmico em Tecnologias Emergentes em Educação da MUST UNIVERSITY - Florida - USA (Matricula Trancada) pós-graduado (especialista); pela Faculdade UniBF-PR em: Docência do Ensino de Filosofia, Psicologia Jurídica/Forense e Psicologia do Trânsito, *Atividades Profissionais Atuais: Psicólogo Clínico, Psicopedagogo e Psicanalista Clínico da Consultoria GCA e do Studio Psicoterápico Plenitude do Ser, Editor, Articulista e Pesquisador das Editoras Artepsi, Grupo editorial GCA e da *Editora Trinitáriana Brasileira ETB, Pesquisador Social da União Reformada Nacional (URN); Ministro Eclesiástico (Reverendo) da Igreja Trinitáriana Brasileira ITB (Uma igreja, Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente, Social Democrata).

Livros Publicados: (digitais, e-book e impressos, autorais, coautorias e edições);

*01* De onde vem o Poder Político Evangélico ??? ISBN-9781699455135

*02* Critérios Para uma Interpretação Psicológica Coerente da Religiosidade: (Psicologia da Religião)
ISBN-9781699414392

*03* Maçonaria Evangélica ???: É Possível ser Cristão e Maçom ao Mesmo Tempo ??? ISBN-9781699404553

*04* Diálogos com os Grandes Filósofos e Teólogos da Humanidade. ISBN- 9781699351598

*05* Apologética Cristã: Refutando as Seitas e Heresias. ISBN-9781699511169

*06* Malaquias 3.10 Lei ou Graça ?: A Igreja de Hoje é Obrigada a Dizimar ? ISBN- 9781699340394

*07* Jesus o Maior Sociólogo da História. ISBN-9781699383681

*08* Qual Versão da Bíblia devo Usar?: Será que Todas as Bíblias São Fieis aos Originais? ISBN-9781699489130
 
*09* As Igrejas Cristãs e a Ditadura Militar no Brasil. ISBN-9781670018298

*10* Manual Prático de Escatologia Bíblica. ISBN-9781698436333

*11* Indução e Hipnose Coletiva em Cultos Religiosos!!! ISBN-9785587412019

*12* Sinopse Histórica do Cristianismo no Brasil. ISBN-9783216870001

*13* Confissões de Fé e Catecismos da Igreja Evangélica Reformada ISBN-9798619570298

*14* Domínio da Fé e da Política!!! O Projeto de Poder Evangélico no Brasil ISBN-9798632809573

*15* Pentecostalismo, Neopentecostalismo e o Movimento da Renovação Carismática. A Evolução da Heresia Arminiana. ISBN-9798654892928
 
*16* Coletânea contendo oito volumes: Teologia e Eclesiologia Reformada. ISBN-9798619570298 


Edições exclusivas dos Trinitarianos Brasil, Venda proibida! distribuição interna nacional na ITB, Igreja Trinitariana Brasileira, STB, Seminário Trinitariano Brasileiro, ETB, Editora Trinitariana Brasileira e do CTB, Canal Trinitarianos Brasil.


Link para o currículo lattes do: Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.


*****************************************
******************************************
Links Úteis 01:
 

******************************************
A ITB não cobra Dízimos nem ofertas de forma obrigatória; Sobrevivemos das doações voluntárias e anônimas; dos eleitos e eleitas de Deus:
******************************************


 ******************************************
***************************************** 
Outras Confissões de fé Reformadas; Aceitas, Defendidas e Difundidas pela ITB:
*****************************************
*****************************************
*****************************************

Confissão de fé das igrejas reformadas da França, denominada confissão de fé de La Rochelle ( a . D . 1559)

****************************************

A Confissão de Fé Escocesa -1560 

*****************************************

Confissão Belga por Guido de Brès. 

*****************************************

Catecismo de Heidelberg - 1563 

*****************************************

Segunda Confissão Helvética (1564) - Heinrich Bullinger.

*****************************************

39 Artigos da Igreja Anglicana (1562 – 42 Artigos).

*****************************************
*****************************************
*****************************************
*****************************************
*****************************************
*****************************************
Os Instrumentos acima; atestam a importância e o valor dos credos, confissões e catecismos da igreja cristã de Fé e Teologia 100% Reformadas. 
******************************************

1. Facilitam a confissão pública de nossa fé.

2. Oferecem de forma abreviada o resultado de um processo cumulativo da história, reunindo as melhores contribuições de servos de Deus na compreensão da verdade. A ciência não é privilégio de um povo ou de um indivíduo. Todo cientista usando a figura de João de Salisbury (c. 1110-1180) equivale a um anão nos ombros de gigantes, valendo-se das contribuições dos predecessores, a fim de poder enxergar um pouco além deles. Podemos aplicar essa figura à teologia e à tradição, como o fez J. I. Packer: "A tradição nos permite ficar sobre os ombros de muitos gigantes que pensaram sobre a Bíblia antes de nós. Podemos concluir pelo consenso do maior e mais amplo corpo de pensadores cristãos, desde os primeiros pais até o presente, como recurso valioso para compreender a Bíblia com responsabilidade. Contudo, tais interpretações (tradições) jamais serão finais; precisam sempre ser submetidas às Escrituras para mais revisão".

3. São uma exigência natural da própria unidade da Igreja, que exige acordo doutrinário (Ef 4:11-14; Fp 1:27; 1Co 1:10; Jd 3; Tt 3:10; Gl 1:8-9; 1Tm 6:3-5).

4. Visto que o cristianismo é um modo de vida fundamentado na doutrina, os credos oferecem uma base sintetizada para o ensino das doutrinas bíblicas, facilitando sua compreensão, a fim de que os cristãos sejam habilitados para a obra de Deus. Spener (1635-1705), luterano e "fundador" do "Pietismo" que se opunha ao "escolasticismo protestante" , insistia com os pastores em que ensinem às crianças e aos adultos, com as Escrituras, o Catecismo menor, de Lutero, visto ser fundamental para a sedimentação da fé. 

5. Preservam a doutrina bíblica das heresias surgidas no decorrer da história, revelando-se de grande utilidade, especialmente nas questões controvertidas, dando-nos uma exposição sistemática e norteadora a respeito do assunto.

6. No que se refere à compreensão bíblica, permitem distinguir nossas igrejas das demais.

7. Servem de elemento regulador do ensino ministrado na Igreja, bem como de seu governo, disciplina e liturgia. James Orr (1844-1913), na obra-prima O progresso do dogma, disse: ".... A idade da Reforma se destacou por sua produtividade de credos. Faremos bem se não menosprezarmos o ganho que resulta para nós destas criações do espírito do século xvi. Cometeremos grave equívoco se, seguindo uma tendência prevalecente [1897], nos permitirmos crer que são curiosidades arqueológicas. Estes credos não são produtos ressecados como o pó, senão que surgiram de uma fé viva, e encerram verdades que nenhuma Igreja pode abandonar sem certo detrimento de sua própria vida. São produtos clássicos de uma época que se comprazia em formular credos, com o qual quero dizer, uma época que possuía uma fé que é capaz de definir-se de modo inteligente, e pela qual está disposta a sofrer se for necessário e que, portanto, não pode por menos que expressar-se em formas que não tenham validade permanente [...]. Estes credos se têm mantido erguidos como testemunhos, inclusive em período de decaimento, às grandes doutrinas sobre as quais foram estabelecidas as Igrejas; têm servido como baluartes contra os assaltos e a desintegração; têm formado um núcleo de reunião e reafirmação em tempos de avivamento; e talvez têm representado sempre com precisão substancial a fé viva da parte espiritual de seus membros...". Os credos da Reforma dão, e praticamente pela primeira vez, uma exposição conjunta de todos os grandes artigos da doutrina cristã.

8. Servem de desafio para que continuemos a caminhada na preservação da doutrina e na aplicação das verdades bíblicas aos novos desafios de nossa geração, integrando-nos à nobre sucessão dos que amam a Deus e sua Palavra e que buscam entendê-la e aplicá-la, em submissão ao Espírito, à vida da Igreja. Uma tradição saudável tem compromisso com o passado na geração do futuro. [46] Portanto, "o conservadorismo criativo utiliza-se da tradição, não como autoridade final ou absoluta, mas como recurso importante colocado à nossa disposição pela providência de Deus, a fim de nos ajudar a entender o que a Escritura está nos dizendo sobre quem é Deus, quem somos nós, o que é o mundo ao nosso redor e o que fomos chamados para fazer aqui e agora".

O Antigo e o Novo Testamento usaram esse recurso para auxiliar os crentes na vida doutrinária e prática cristã, expressando também o que a Igreja cria. A teologia reformada honra a Bíblia e os credos da Igreja, enquanto estes permanecerem fiéis às Escrituras.

*******************************************
*******************************************
******************************************
****************************************

**************************************** 
Recomendamos os sites  (Todos de Fé e Teologia; Reformada) abaixo:

 

 



 
 
 




******************************************

******************************************
******************************************
******************************************
A ITB é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.
E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. 
(Zac. 4. 6 ACF).

Agostinho de Hipona e o Dogma da trindade santa.

***************************************************

Estimulados pelos escritos de Karl Barth, o teólogo que mais explorou o mistério trinitário no século XX, várias obras importantes sobre a doutrina da Trindade foram escritas. Nas décadas finais do século XX Karl Rahner, Jürgen Moltmann, Wolfhart Pannenberg, Colin Gunton e Millard Erickson, buscaram refletir e reaplicar a doutrina trinitária, produzindo um grande número de estudos dogmáticos, bíblicos e históricos. O alvo deste ensaio é expor a compreensão da doutrina trinitariana como formulada por Agostinho de Hipona, que produziu uma obra seminal sobre este tema, A Trindade, com a qual todos estes escritores interagem.

https://teologiabrasileira.com.br/deus-trindade-agostinho-de-hipona-e-o-dogma-trinitariano/ 

O Método Pedagógico dos Jesuítas: 
Versão da pedagogia acadêmica, elaborada pelos jesuítas e sistematizada no “Ratio Studiorum”, o Plano de Estudos cuja versão definitiva foi aprovada em 1599 e adotada por todos os colégios jesuítas em todo o mundo.
Reformador, Rev. Prof. Dr. João Calvino e as Doutrinas da Graça de Deus (TULIP).
Prof. Dr. John Maynard Keynes. 
Economista britânico e autor da teoria econômica que fundamentaria o Estado de bem-estar social.
******************************************
******************************************
A ITB é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.
E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. 
(Zac. 4. 6 ACF).
Na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira, Só aceitamos a Bíblia na versão ACF. Almeida Corrigida Fiel; Impressa no Brasil pela SBTB. Sociedade Bíblica Trinitáriana do Brasil.

Bíblia revelada: Almeida Corrigida Fiel (ACF).

A Bíblia na versão: Almeida Corrigida Fiel (ACF) é o texto bíblico oficial da SBTB (Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil), a grande responsável por sua produção em nosso país. Esta tradução tem como base a Almeida Revista e Corrigida e adota os mesmos textos utilizados por Almeida em sua tradução: Texto Massorético Hebraico para o Antigo Testamento e o Textus Receptus (ou Texto Recebido) para o Novo Testamento. Uma informação importante: O Texto Recebido (grego) serviu de base para diversas traduções dos séculos XVI ao XIX, como a Bíblia de Lutero, a Bíblia King James (Rei Thiago) e para a maioria das traduções do Novo Testamento da Reforma Protestante. Assista ao vídeo abaixo e perceba; porque, só aceitamos a ACF.

SBTB. Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil (Oficial).
A ITB é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.
  
 E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. 
(Zac. 4. 6 ACF).
*****************************************
A ITB é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.
E respondeu-me, dizendo: Esta é a palavra do Senhor a Zorobabel, dizendo: Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. 
(Zac. 4. 6 ACF).

**************************************************************
Sobre o Casamento a Família o Aborto a Doutrina Social da Igreja a Política e a Ideologia de Gênero! Temos a Bíblia Sagrada, fonte inerrante e divinamente inspirada pelo Espírito Santo; como parâmetro final; também, seguimos e adotamos, (Ainda que, de maneira não, infalível!!!) os ensinos e posicionamentos doutrinários das Confissões de fé, Catecismos e demais documentos oficiais das igrejas cristãs reformadas, Portanto, A (ITB) Igreja Trinitariana Brasileira é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente Social Democrata.

**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************

Uma linda e piedosa ilustração anabatista.

Convite Especial!!!


12 Razões para você se tornar um santo e piedoso, Cristão Trinitariano. 


Em primeiro lugar, preciso dizer que as razões que apresento, são doutrinas e práticas oficiais que devem ser vistas nas igrejas locais da ITB. Igreja Trinitariana Brasileira Pode ser que nas “Igreja” que pregam às nefastas e devastadoras heresias arminianas, que você inocentemente frequenta, não possuam tal identidade reformada, mas deve ser lembrado que o padrão aqui apresentado é o que consta nas doutrinas, constituição e concílios da ICR. Igreja Cristã Reformada. Algumas igrejas estão mais alinhadas com esses postulados. Em segundo lugar, esse convite é a você que tem interesse em congregar em alguma igreja cristã e por hora está ainda indeciso. Por último, creio que a ITB faz parte da igreja visível, somos inclusivos e não exclusivistas, no que diz respeito às denominações cristãs. Cremos que o Trinitanrianismo está apto para representar uma doutrina bíblica mais pura do que as demais igrejas cristãs arminianas.
 
Apresentamos abaixo nossas razões:
 
1ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa da ortodoxia cristã presente nas doutrinas da ITB. As doutrinas dos credos cristãos a respeito da Trindade, são mantidos nas doutrinas da ITB em sua mais pura representação. Credo Apostólico, Credos Niceno e Niceno-Cosntantinopolitano, Credo Atanasiano e de Calcedônia, são prezados e o confessamos como representação de nossas crenças. Estamos ligados aos cristãos primitivos, herdeiros das doutrinas apostólicas. 
 
2ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa da ortodoxia protestante presente nas doutrinas da ITB. Os cinco Solas (somente a Escritura, somente a Fé, somente Cristo, somente a Graça e a gloria somente a Deus) estão em sua mais plena madureza no contexto Trinitariano. Nenhuma igreja tem mais estima pelos postulados protestantes que a ITB. Na verdade, a fé Trinitariana vai até as últimas “consequências” ao manter essas doutrinas, sobretudo, a suficiência das Escrituras – por isso não cremos em novas revelações. A pregação da Palavra é a parte mais importante de nosso culto prestado a Deus. Nossas doutrinas a respeito da Fé, da Graça e da Glória de Deus, estão em seu sentido mais bíblico possível. 

3ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa da originalidade de nossa herança doutrinária e identidade. A ITB não é produto de divisão de outras igrejas cristãs arminianas, não dividimos o corpo visível do povo de Deus. Somos filhos diretos do movimento da Reforma Protestante, que a princípio foi rejeitado por Roma, e com o tempo, e por sua vez, negou a legitimidade do Papado de Roma. Adotamos como representação oficial de nossas crenças o mais maduro e pleno produto protestante – A Confissão de Fé de Westminster e seus catecismos.
 
4ª Razão: convidados você a se tornar Trinitariano, por causa da centralidade de Cristo em nossas doutrinas. A Confissão de Fé de Westminster possui exposição doutrinária de vários assuntos da Teologia Reformada. De casamento a censuras eclesiásticas. Em seus 33 capítulos, 11 capítulos estão relacionados diretamente com a pessoa e obra de Cristo Jesus, realizada nos crentes pelo Espírito Santo, pela glória de Deus Pai. Mais 5 capítulos indiretos. Os capítulos diretos são do 8º ao 18º, e os indiretos são os capítulos 7, 25, 27-29.
 
5ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa da teologia bíblica presente em nossas doutrinas. Por mais dogmático que pareça ser, ter uma Confissão de Fé, ou um manual de doutrinas, a Teologia Trinitariana nasceu em primeiro lugar de uma teologia exegética, bíblica, não desconsiderando as doutrinas cristãs, examinando-as sempre à luz das Escrituras. Um dos maiores pensadores da teologia reformada, o Ilustre Rev. Prof. Dr. João Calvino, era um exegeta. Os teólogos de Westminster tinham domínio e noção daquilo que chamamos hoje de exegese bíblica. Somente O Catecismo Maior de Westminster possui 2884 versículos bíblicos citados em apenas 196 perguntas. E essa tradição exegética pode ser vista na ITB.
 
6ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa do alto grau de santidade presente em nossas doutrinas. Apesar da doutrina da segurança eterna gerar maus entendidos nos críticos, dizendo que isso pode gerar um descuido moral e/ou vigilante, a verdade é totalmente o oposta. Os nossos irmãos puritanos, revelaram uma vida santa e de sublime obediência. As perguntas e respostas de 98 a 152, do Catecismo Maior de Westminster, ao explicar os Dez Mandamentos, trazem doutrinas a respeito de vestimentas, palavras, diversão, pensamentos, trabalho, família, adoração, que infelizmente, foram esquecidas por muitos arminianos.

7ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa do sistema de governo Trinitariano. A ITB possui um sistema de governo representativo, em uma federação de igrejas e concílios, eleito pelo povo da igreja e/ou designados por esses. Não há presidência absoluta, não existe uma pessoa “mandando na ITB”, ainda que haja Rev. influentes no cenário nacional (louvamos a Deus pela vida deles), por fim, apenas os Concílios da ITB determinam por maioria, os rumos da ITB. Os Concílios da ITB são: Conselhos – que governa a igreja local. Presbitério – governa as Igrejas de certa região. Sínodos – governa presbitérios de certa região. Supremo Concílio – governa a Igreja Trinitariana em todo território nacional. Esses Concílios apesar de serem conduzidos por uma Executiva (presidente, vice, secretários, tesoureiro) eles apenas moderam suas reuniões. O plenário com representantes de todas as igrejas, sendo presbíteros e pastores, em sua maioria, é soberano. As reuniões e assuntos tratados nos concílios maiores, são públicos podendo ser verificados por todos – nos sites e publicações oficiais da ITB.
 
8ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa da seriedade de nossa denominação. A ITB, apesar de ter pessoas falhas e pecadoras em suas fileiras e liderança, tem usufruído de um bom nome no Brasil. Nossa seriedade bíblica e equilíbrio, tem nos colocado em um patamar de igreja séria principalmente por nossa doutrina sobre os dízimos e as ofertas (Na ITB não cobramos os dízimos e as ofertas de forma obrigatória! entendemos que o velho testamento e a lei de Moisés não se apliquem a igreja neotestamentária nesse aspecto em particular; na ITB sobrevivemos de doações 100% voluntárias dos eleitos de Deus; desta forma, nunca chamaremos nossos irmãos de ladrões, como é praxe, em denominações arminianas). Obviamente não somos os únicos. Mas escândalos, exploração financeira, não fazem parte de nossa história no Brasil.
 
9ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa de nossa identidade local. Apesar de sermos uma igreja confessional, há um espaço salutar em cada região manifestar sua vida em comunidade. A ITB possui Sociedades Internas, onde momentos de celebração e comunhão são compartilhados, no espirito piedoso e em suas manifestações locais, culturais, desde que não fira princípios bíblicos. Essa identidade também pode ser manifestada na forma de adoração. Há igrejas que cantam cânticos contemporâneos, juntamente com hinos clássicos. Algumas usam pianos, outras baterias, umas batem palmas, outras não, etc.

10ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa de nossa pecaminosidade e imperfeições. A ITB tem erros, seus pastores e membros são pecadores, assim como você (e eu). Não há entre nós ‘ares’ de unção de um sobre outro. Somos tão necessitados da graça de Deus quanto você. Entre nós acontece tudo que aconteceu nas igrejas nos dias apostólicos (Ap 2,3). Há adultério, fornicação, roubos, brigas, picuinhas, e toda sorte de coisas ruins que você já viu em muitos lugares, e até nas igrejas do NT. Isso se dá, pois nós estamos na ITB, somos pessoas que maculam aquele lugar, e que ainda lutam pela vida santa. Por vezes esses pecados, atingem pastores, presbíteros e diáconos também, há muitas vezes negligência na disciplina, ainda que em nossa doutrina e constituição isso deve ser tratado. Nossa ITB vai piorar quando você entrar nela, pois será mais um pecador dependente da graça de Deus. Mas pelo poder do Espírito Santo, você, eu, e todos nós na ITB, seremos melhores, mais parecidos com Cristo!
 
11ª Razão: convidamos você a ser Trinitariano, por causa de nossa rejeição as nefastas heresias do pentecostalismo e Neopentecostalismo ambos de origem arminiana. As falhas doutrinárias nesses movimentos têm se elevado em número, gênero e grau. Com algumas ressalvas às igrejas pentecostais, em suas doutrinas “cristãs”, ainda assim, não podemos compartilhar deles em sua continuidade dos dons. Isso não significa que não cremos que Deus não faça milagres – cremos na providência divina em tudo! Também não cremos que Deus não possa restaurar alguns dons quando e onde achar necessário – mas não temos observado a semelhança com o padrão bíblico nos atuais movimentos pentecostais. O dispensacionalismo, fracionando os períodos bíblicos da salvação, e colocando Israel hoje em um patamar de “povo de Deus”, não é um ensino bíblico. Por último, e pior, os abusos heréticos nos movimentos neopentecostais, reproduzindo tudo quanto é ‘macumbaira evangélica’, ungido objetos e em campanhas místicas de poder, e para piorar ainda mais, que visam 100 % o lucro financeiro. Isso não tem nada com os Trinitarianos.
 
12ª Razão: convidamos você a se tornar Trinitariano, por causa de nossa missão. A ITB investe a maior parte de sua arrecadação em obras sociais, missões e no bom preparo teológico de nossos pastores – os melhores seminários e instituição de ensino teológico, são os reformados e na ITB nós mantemos o STB Seminário Trinitariano Brasileiro o nosso campo missionário prioritário é todo o território nacional e depois só depois, os confins da terra. Temos uma editora e publicadora (Bem como outras entidades eclesiásticas/clericais); das obras literárias Trinitarianas a ETM Editora Trinitariana Mundial. A ITB apoia outras frentes evangelísticas, e há trabalhos transculturais. O Evangelho precisa ser anunciado, Deus ordenou isso, e isso TEM QUE SER FEITO. Tudo isso para proclamar o Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, para todo aquele que crer, seja salvo, e escape da ira de Deus (Jo 3.36). Sobre o Casamento a Família o Aborto a Doutrina Social da Igreja a Política e a Ideologia de Gênero! Temos a Bíblia Sagrada, fonte inerrante e divinamente inspirada pelo Espírito Santo; como parâmetro final; também, seguimos e adotamos, (Ainda que, de maneira não, infalível!!!) os ensinos e posicionamentos doutrinários das Confissões de fé, Catecismos e demais documentos oficiais das igrejas cristãs reformadas, não aceitamos como Seminaristas, Presbíteros, Diáconos, Pastores, Reverendos ou Oficiais / Dirigentes de quaisquer entidades ligadas a ITB: repudiamos e rejeitamos veementemente! Os Membros de Sociedades Secretas / Maçons; Também não, serão aceitos: Comerciantes de Tabaco, Álcool ou qualquer outro produto / trabalhos - ofícios, reprovados pela Bíblia Sagrada! Na ITB Só aceitamos a Bíblia na versão ACF. Almeida Corrigida Fiel; Impressa no Brasil pela SBTB. Sociedade Bíblica Trinitáriana do Brasil. Portanto, A 
ITB Igreja Trinitariana Brasileira é uma Igreja: Soteriologicamente Calvinista, Pedagogicamente Jesuíta e Politicamente, Social Democrata. O que está esperando? Procure uma ITB mais próxima de sua casa.

**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************



**************************************************************

Artigo Teológico de um ilustre, Hipercalvinista Supralapsariano: Três Razões Pelas Quais Arminianos, Não São Salvos!!! (Título original: Three Reasons Why Arminians Are Not Saved); Autor: Christopher Adams, Tradutor: Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.

************************************************************** 

Uma das questões mais importantes enfrentadas por aqueles que professam crer nas doutrinas da graça (comumente chamado de "calvinismo" TULIP, Cristãos Reformados Fundamentalistas); é como se relacionar com os cristãos evangelicalistas professos que rejeitam as doutrinas da graça. Deverão ser abordados como irmãos em Cristo? Deveremos tomar o relato de suas “experiências de conversão” como tendo o valor que alegam ter? Para responder a estas questões, o autor desta obra extraordinária; gostaria de apresentar as seguintes Três Razões Pelas Quais Os Arminianos Não São Salvos. – Como arminianos, entendemos o que se segue: Além das óbvias seitas não cristãs (pagãs, como o animismo africano); e seitas pseudocristãs (como o Romanismo, o Adventismo do Sétimo Dia, o Mormonismo, os Testemunhas de Jeová, os Pentecostais Unicistas, Igreja Pentecostal Unida do Brasil, IPUB; os Batistas Renovados), também são arminianas as pseudo-reformadas igreja Metodistas, todas as igrejas Pentecostais e Neopentecostais, bem como a maioria das igrejas do ramo chamado de “Batistas do Livre Arbítrio”, inclusive as igrejas Anabatistas Remanescentes, as Menonitas, CCB, Congregação Cristã no Brasil e etc...).

Motivo número um:

Os arminianos não, estão salvos porque eles adoram um ídolo. Por um ídolo, quero dizer "um deus que não pode salvar." Mas espere um minuto, você diz, eles adoram Jesus? Não, por uma questão de fato, não. Eles podem dizer que adoram Jesus, mas o Jesus que eles adoram simplesmente não pode salvar. Os fariseus disseram que acreditavam em Deus e até mesmo convenceram a si mesmos de que eles acreditavam em Deus, mas sua fé estava realmente em um deus que não poderia salvá-los, a sua fé não estava no único, verdadeiro, absoluto e exaustivamente soberano, Deus de Israel.

Isto é evidente pelo fato de que, quando o verdadeiro Deus veio para viver entre eles, blasfemavam dele e O fizeram ser executado. Os fariseus fizeram um ídolo de sua ideia (uma imagem mental fraudulenta); de Deus, portanto, eles estavam tão perdidos quanto aqueles que adoravam um ídolo esculpido chamado Moloch. Formarmos uma imagem no nosso cérebro e chamando-o de "Jesus" não é mais uma evidência da salvação do que esculpir um ídolo de madeira e chamá-lo de "Deus".

De ambos os modos, o indivíduo está em idolatria grosseira. E o fim daqueles que adoram ídolos é tornar-se como seus ídolos (Salmos 115:8). Arminianos têm um deus que não é capaz de transformar a vontade do homem que agrada a ele [o deus]. Podem firmemente crer que ele é capaz de mover montanhas, causar o trovão e o relâmpago, e ordenar as estrelas em seus cursos, mas ele é impotente perante o Todo-Poderoso Livre-Arbítrio do Homem, e o sangue do seu único filho gerado é derramado por aqueles que estão sob o controle de suas próprias vontades, em uma expiação impotente. Este não é o Deus da Bíblia (Salmo 115:3, Provérbios 1:21).

Esse "deus" não é um Deus justo, nem um Salvador (Isaías 45:21). Esse "deus" simplesmente não pode salvar (Isaías 45:20). Esse "deus" é um caniço quebrado, perfurando a mão de todo aquele que se apoia sobre ele. Esse "deus" é uma mentira do inferno e está destinado a voltar para lá. E aqueles que o seguirem até o fim estão destinados a retornar para lá juntamente com ele. Qual foi a queixa que Deus fez ao apóstata Israel? “... pensavas que Eu era tal como tu ...” (SL. 50:21 ACF) Arminianos têm forjado um deus em sua própria mente. Eles não são mais salvos do que os judeus que fizeram exatamente a mesma coisa ao adorarem um ídolo de ouro no deserto.

Motivo número dois:

Os arminianos não estão salvos porque eles não acreditam na verdade. Isso está relacionado ao motivo anterior, mas tem mais a ver com a evidência da salvação de uma pessoa.

Qualquer calvinista que defende a salvação de arminianos devem explicar 2 Tessalonicenses 2:12, que diz: “Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade.” (2Ts 2:12 ACF) alguns usam a desculpa de que os arminianos acreditam nas mais importantes, nas doutrinas fundamentais da Escritura. Mas será que eles acreditam mesmo?

Cada membro da Trindade está associado com a verdade (Salmo 31:5, João 14:6,17). Aqueles que são salvos amam a verdade (Tito 1:1, João 3:21), porque foi o instrumento de seu segundo nascimento (Tiago 1:18, Efésios 1:13). Mais relevante e especificamente, eles amam a verdade, porque Deus os predestinou para amá-la (2 Tessalonicenses 2:13), portanto as ovelhas eleitas conhecem a voz de seu Pastor (João 10:14) e que, inevitavelmente, O seguem. Na verdade, aqueles que não ouvem a voz do Pastor simplesmente não são ovelhas (v. 26)! Por que Deus predestina as Suas ovelhas a amarem a Sua verdade e a seguir somente a Ele? A razão é dada em Isaías 48, versículos 9-11:

“Por amor do meu nome retardarei a minha ira, e por amor do meu louvor me refrearei para contigo, para que te não venha a cortar... Por amor de mim, por amor de mim o farei, porque, como seria profanado o meu nome? E a minha glória não a darei a outrem.” (Is 48:9-11 ACF).

A glória de Deus é a única razão pela qual Ele faz todas as coisas. É a razão pela qual Jesus veio à terra (João 12:27-28), é a razão pela qual Ele salvou a Sua igreja (Efésios 1:12), e é a razão pela qual Ele irá retornar algum dia para levar a igreja para a casa dEle (2 Tessalonicenses 1:10). É a razão para a existência da criação (Romanos 9:23).

Agora, se a vontade de Deus é que Ele seja glorificado por Sua igreja, que possível motivo poderia ter Ele para permitir aos homens atribuírem a fonte da sua fé às suas próprias vontades? Isso despojaria Deus de Sua glória de direito e não compartilhada, glória que Lhe cabe na salvação. Ele não deixa os Seus [redimidos] na ignorância mais do que Ele os deixa chafurdar nos seus pecados (I João. 3:9). Portanto, a glória de Deus absolutamente exige que consideremos os arminianos 100% perdidos.

O ensinamento de que um Deus soberano! não poderia, ou não quereria, irresistivelmente conduzir Seu povo a crer e confessar o verdadeiro Evangelho é um ensino que apresenta Deus como sendo tão frágil e impotente como o deus arminiano. Na verdade, essa linha de pensamento é realmente o resultado de uma forma muito sutil de santificação baseada em obras de homens. Ela tacitamente assume que Deus faz o trabalho inicial de mudar o coração de pedra em carne, mas depois permite   aquele coração mudado a escolher seu próprio caminho!!! Se isso fosse verdade, significaria que "o livre arbítrio" ajudaria na salvação dos pecadores perdidos; tais como ídolos e imagens, seriam muito úteis, mesmo necessárias. Pelo contrário, Deus não permite uma pessoa regenerada desenvolver livremente sua teologia mais do que ele permite que uma pessoa regenerada livremente persista no pecado. Em vez disso, ele coloca o seu Espírito Santo dentro dessa pessoa, e o Espírito soberanamente conduz a pessoa a toda a verdade de Deus (João 16:13).

Além disso, existem três verdades absolutas; que o Espírito Santo nos esclarece especificamente: pecado, justiça e juízo (João 16:8-11). Examinemos cada uma dessas verdades com mais detalhes.

Primeiro, porque Ele vai nos ensinar sobre o pecado? A resposta é dada no versículo 9: “... porque não creem em mim;” esta é obviamente a doutrina da depravação total. Todo pecador regenerado tem sido ensinado por Deus Espírito Santo que ele é um vil, miserável, desamparado pecador, totalmente vazio de justiça e absolutamente incapaz de chegar à fé salvadora por si mesmos. Todo pecador regenerado tem sido ensinado por Deus Espírito Santo que amenos, que o próprio Deus intervenha para salvá-lo, o pecador virá a ser eternamente perdido (Salmo 130:3, João 6:45).

O pecador salvo pode não usar a expressão "depravação total", mas eles sempre vão entender sua inata incapacidade de agradar a Deus e nunca acreditará que foram seus próprios esforços e decisões que foram interpostas em favor dele junto a Deus. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que Deus salva um pecador com base nas ações ou decisões do pecador (João 1:12, Romanos 9:16), ou quando proclamam que Deus vai salvar com base em Sua presciência do que o pecador vai fazer.

Em segundo lugar, porque Ele vai nos ensinar sobre a Justiça? A resposta é dada no versículo 10: “... porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;” (Jo 16:10 ACF) Aqui, Jesus está ensinando que o Espírito Santo ensinará a cada crente que Cristo, pela Sua morte sangrenta na cruz, produziu uma justiça que satisfaz a justa ira do Pai contra todos a quem Cristo representou. O Espírito Santo ensina a cada pecador regenerado sobre a doutrina da Expiação Limitada. O pecador salvo pode não usar as palavras "Expiação Limitada" ou "Redenção Particular", mas ele sempre vai entender que Jesus tem efetivamente estabelecido a paz entre ele e Deus, e nunca vai crer que alguém por quem Cristo morreu poderá vir a novamente ficar sob a ira de Deus. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que Jesus derramou Seu precioso sangue mesmo por aqueles que eternamente sofrem a ira e a rejeição do Pai (Jeremias 6:14, Gálatas 1:8-9).

Terceiro, porque Ele vai nos ensinar sobre o julgamento? A resposta é dada no versículo 11: “... porque já o príncipe deste mundo está julgado.” Aqui, Jesus está ensinando que o Espírito Santo ensinará a cada crente que Jesus desfez as obras do Diabo e com mão forte libertou os que eram cativos do Diabo (Lucas 11:21-22; 1 João 3:8, 5:19). Nenhum crente nunca poderá voltar às mentiras e laços de Satanás (João 10:5).

O Espírito Santo ensina a cada pecador regenerado sobre as doutrinas da Graça Irresistível e da Perseverança dos Santos. O pecador salvo pode não usar a expressão "Graça Irresistível" ou "Perseverança dos Santos", mas ele sempre vai entender que a sua conversão e perseverança vêm do Espírito Santo, e ele nunca vai acreditar que a sua conversão e perseverança vêm da sua própria força. Arminianos ensinam exatamente o oposto quando proclamam que um filho de Deus pode novamente se tornar um filho do Diabo (Mateus 13:11-17).

Novamente, um pecador salvo pode não utilizar todas as mesmas palavras que eu usei aqui, mas ele nunca vai acreditar o contrário dessas doutrinas, nem jamais ele irá se opor a elas quando por elas confrontados (I Coríntios 2:12).

Razão Número Três:

Os arminianos não estão salvos porque eles odeiam a verdade {*} Este motivo também tem mais a ver com a evidência da salvação de uma pessoa.

Olhe novamente para (II Tessalonicenses 2:12), especialmente a última parte do verso. “Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade.” (II Ts 2:12 ACF) Arminianos certamente têm prazer na iniquidade. Eles acreditam que Jesus derramou o Seu sangue para resgatar milhões de pessoas a quem Deus enviará para o inferno de qualquer maneira. E os arminianos certamente têm prazer no que é falso. O nefasto e pervertido, Arminianismo, é o cumprimento da mais antiga mentira em existência: “Você vai se tornar semelhante a Deus.” Ou, o que o homem natural realmente quer ouvir: “Você vai se tornar mais poderoso do que Deus.” Quando os arminianos proclamam um Deus que é impotente diante da vontade humana, proclamam a mesma velha mentira que é tão agradável aos ouvidos não regenerados.

E este é exatamente o ponto: aquele que odeia a verdade é o homem natural, não regenerado. Por natureza, os homens amam as trevas (João 3:19), por natureza, os homens odeiam a luz (João 3:20), apenas aqueles que tiveram sua natureza mudada vêm para a luz (João 3:21). Uma vez que arminianos odeiam a luz da verdade e amam as mentiras, somos forçados a concluir que eles de fato, não são regenerados. O homem natural (o arminiano); odeia a verdade da soberania de Deus (Salmo 15:03, Romanos 9:20).

"Mas", pode-se argumentar, "se somos salvos porque somos ortodoxos, isto não faz com que a salvação seja o resultado das obras?" Esse argumento é realmente uma sutil distorção do que foi dito aqui. Ninguém está sugerindo que nós somos salvos por causa da nossa doutrina ortodoxa (TULIP). Pelo contrário, o que estamos sugerindo é que a doutrina ortodoxa é uma consequência inevitável de sermos salvos. Afirmar o contrário seria negar a soberania do Espírito Santo, mesmo sobre os pensamentos dos homens. A salvação não depende mais da [nossa] ortodoxia do que depende das [nossas] boas obras, mas ambas [estas coisas] certamente virão a ser manifestadas em cada filho de Deus, somos salvos, para as boas obras e não, pelas boas obras!!! A salvação é uma obra completa de Deus e não nossa; (Romanos 8:9).

Novamente, o autor desta obra, tem muitas vezes ouvido a afirmação de que "uma pessoa não tem que ser ortodoxa [adepto 100% da sã doutrina] para ser salva, porque até mesmo os demônios creem em Deus." Mas vamos comparar Escritura com Escritura. "Ora, sem fé é impossível agradar [a DEUS], porque aquele que vem a Deus deve crer que ele existe e [que] ele é galardoador dos que o buscam" (Hebreus 11:6). Repare como este verso é construído: ele (quem tem fé) tem que crer - e, em seguida, há duas coisas para serem cridas. Observe também que o que se segue é um par dos fatos: a existência de Deus e sua benevolência para com os eleitos e eleitas.

Tiago 2:19 diz que os demônios creem na existência de Deus, e este é um dos elementos necessários de acordo com (Hebreus 11:6); Mas desde que eles não creem que ele é um Deus misericordioso, eles tremem ao pensar em Sua ira divina que deve um dia cair sobre eles. São os demônios realmente ortodoxos? Eles acreditam em algumas coisas sobre Deus, mas não as coisas certas. Eles acreditam em algumas das verdades sobre Deus, mas não em toda a verdade. E, sem toda a verdade, eles não são realmente ortodoxos. Assim, vemos que a ortodoxia é um resultado necessário da salvação, afinal, não somos salvos pela ortodoxia, somos salvos para a ortodoxia!!!

Novamente, é objetado que nenhum mero ser humano pode compreender plenamente a Deus, porque somos finitos e Ele é infinito (Isaías 55:9). Essa objeção é facilmente satisfeita quando lembramos que os eleitos e eleitas de Deus são aqueles que são habitados pelo Espírito Santo. Desta forma, um ser humano finito é capaz de compreender verdadeiramente a Deus infinito, porque o infinito Espírito Santo os está ensinando.

Finalmente, é muitas vezes argumentado que os arminianos têm que ser salvos, porque eles executam tamanhas boas obras. Poucos calvinistas séria e abertamente insistiriam que somos salvos por causa de nossas obras, mas quando a salvação dos arminianos é questionada, a resposta típica é a de apontar para as suas boas obras. Eles são fervorosos na oração, jubilantes na adoração, e zelosos de boas obras. E, acima de tudo, eles são determinados ganhadores de almas, sempre falando de Deus e ocupados em fazer pessoas serem convertidas. Mas afirmar que uma pessoa é salva por causa de qualquer uma dessas ações é a negação do plano de salvação pela graça somente. A justificação é um dom, ela nunca pode ser ganha por merecimento (Romanos 4:24, Tito 3:5). Mas, pela mesma razão, estas boas obras nunca podem ser usadas como prova da nossa salvação. Os fariseus também foram fervorosos na oração (Lucas 18:11-12), jubilosos na adoração (Mateus 6:05), e zeloso de boas obras (Mateus 23:23,27,29; veja também Romanos 10:2-3).

Acima de tudo, eles eram exímios e determinados ganhadores de almas, atravessando a terra e o mar para fazerem uma conversão. E, ainda assim, qual foi o resultado da atividade deles de "ganhar almas"? “... o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.” (Mt 23:15 ACF). Uma vez que os fariseus eram, obviamente, não salvos, tudo isto tem que decorrer do fato que a carne é muito boa em reproduzir [imitar] as boas obras, sem nunca ser agradável a Deus. No entanto, as obras que são feitas na carne ainda são uma abominação para Deus, não importa como elas aparecem aos homens. O contexto de (II Tessalonicenses 2:12); é ainda mais explícito sobre esse ponto. “E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;” (2Ts 2:10-11 ACF); Observe que aqueles que são salvos amam a verdade e os incrédulos não. Observe também que Deus faz com que eles acreditem que uma mentira, com a intenção de justamente enviá-los para longe de Sua presença, para sempre. Deus os odeia, como ele odiou Esaú. Ousamos nós dizer que aqueles a quem Deus odeia são salvos?

O próprio fato de que não existe qualquer debate sobre esta questão indica que a maioria das igrejas calvinistas professas não são igrejas verdadeiras em tudo. Frequentemente é ouvido o apelo para a tolerância, baseada na equivocada noção de que a doutrina é de pouca importância. (Tenho aprendido muito com os reverendos presbiterianos, Augustos Nicodemus, Hernandes Dias Lopes e outros reformados... porém, não posso negar que os mesmos demonstram ter algum tipo de acordo com os falsos profetas pentecostais e neopentecostais do Brasil); ao contrário – a pureza da doutrina do evangelho (a doutrina da salvação, ou soteriologia) é um fruto essencial da salvação. Ser capaz de definir "soteriologia" não é necessário; ser capaz de declarar os cinco pontos do Calvinismo não é necessário; mas amar a verdade e dar toda a glória ao único, absoluto, soberano e verdadeiro DEUS é necessário. Arminianos fazem exatamente o oposto quando eles tentam reservar algumas dessas glórias para si mesmos; isto não é uma "sincera, mesmo que errônea, compreensão da doutrina do evangelho", mas, sim, uma resoluta e determinada rebelião contra o único e verdadeiro Deus, e um fedor para as Suas narinas, baste ver os tipos de cultos que eles fazem, Culto da Prosperidade do milagre urgente dos empresários da libertação e etc...

O fato, de que os arminianos não são salvos também nos leva a algumas conclusões:

1. Não devemos ter comunhão com os arminianos. Eles são membros da igreja prostituta e, se não [nos separarmos e] sairmos do meio deles, nós compartilharemos de seus pecados (Apocalipse 18:4). Naturalmente, isto não apenas significa que algumas amizades preciosas serão perdidas, mas que [algumas] famílias serão semelhantemente divididas. Mas não é esse exatamente o efeito que o evangelho é suposto ter? “34 Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; 35 Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; 36 E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.” (Mt 10:34-36 ACF).

2. Devemos tratá-los de acordo com o que eles são; 100% perdidos. Não faz nenhum bem [a ninguém] deixar um arminiano prosseguir no pensamento de que tem a verdade, quando ele não a tem. Devemos dar a eles testemunho do verdadeiro evangelho da graça. Deus é glorificado quando nós falamos a verdade em amor (Efésios 4:15), mas não quando suprimimos a verdade em prol da harmonia do grupo, afim de termos algum tipo de comunhão com eles.

3. Devemos estar dispostos a exercer a disciplina eclesiástica sobre aqueles [dentre nós] que finalmente se revelam ser arminianos ou [firmemente] consideram que arminianos são seus irmãos em Cristo. Parte da razão pela qual a maior parte da igreja professa apostatou é que geralmente não está disposta a disciplinar os seus membros por razões doutrinárias. Naturalmente, isso exige bom senso da parte dos ministros, mas permitir a heresia permanecer em uma igreja em prol de expandir a lista de membros é indesculpável e imperdoável.

Os Calvinistas precisam aprender que o poder de Deus não repousará sobre [nossos] relacionamentos [comunhão] com os arminianos e com ministérios arminianos. O poder de Deus está no Evangelho e somente no Evangelho. Mas o verdadeiro poder do Evangelho não se manifestará a menos que seja pregado em toda a sua plenitude, como um cheiro de vida para a vida e como um cheiro de morte para a morte. O Evangelho condena os arminianos como inimigos de Deus, inimigos da cruz, e inimigos do Evangelho. Desvie-se para longe deles, para que você não compartilhe da condenação deles; lembremo-nos sempre do Sínodo de Dort na Holanda!!! (2 João 11, Ap 18:4).

***************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).
***************************************************
Assista ao videoclipe abaixo e entenda o porque do chamado á separação!!!
***********************************************************************************************************************


Este videoclipe, desmascara os "profetas" do engano religioso!!!

***************************************************

O CRISTO DO ARMINIANISMO VS. O CRISTO DA BÍBLIA – Arminianos e Calvinistas são irmãos na fé?

Antes de começar, devo lembrar o leitor de que quando falo de “Calvinismo Vs. Arminianismo” eu estou me limitando ao seu sentido original e histórico, isto é, apenas ao que diz respeito à doutrina da salvação (soteriologia) e como ela funciona nos desígnios de Deus. Refiro-me ao Calvinismo tendo em vista somente os Cinco Pontos do Calvinismo, e não a tradição conhecida como “Reforma Protestante”, a qual engloba não somente a questão soteriológica, como também traz conceitos denominacionais que não estão de acordo com a Bíblia. Esses termos técnicos são inevitáveis para tratar do assunto “Predestinação Vs. Livre Arbítrio”, e, portanto, é a única forma de ensinar o leitor como Deus predestina Seus santos escolhidos à salvação e os perdidos à condenação.

A LÓGICA NOS DIZ QUE ARMINIANOS E CALVINISTAS NÃO SÃO IRMÃOS NA FÉ

Existe um princípio imutável chamado Lógica. Esse princípio tem me acompanhado desde que conheci a Palavra de Deus, e tem sido meu escudo contra o sincretismo e ecumenismo religioso até aqui. A Lógica é, por definição, um gatilho bíblico que nos protege de proposições contraditórias e sofismas religiosos. Em suma, a Lógica se trata do raciocínio que se pauta na dedução, e este raciocínio é composto basicamente por duas premissas ou proposições (maior e menor), a partir das quais se alcança uma conclusão. Por exemplo: "Todos os homens são mortais. Frederico é homem. Logo, Frederico é mortal”. Se eu mudar uma das duas premissas que concluem que Frederico é mortal, a conclusão da mortalidade de Frederico estará errada. Ou seja, segundo a lógica, para que se afirme que Frederico é mortal em conformidade com uma premissa maior e menor, é obrigatoriamente necessário que (1) todos os homens sejam mortais e que (2) Frederico seja homem. Conclusão: Frederico é mortal.

Uma premissa errada leva a conclusões obviamente errôneas. Não se pode elaborar um silogismo básico e coerente quando as premissas de um determinado conceito não coadunam com a conclusão final. E é por isso que hoje eu irei dar uma breve explicação sobre a razão pela qual arminianos e calvinistas não são irmãos na fé e jamais poderiam ser. Quando quero dar uma resposta rápida, eu simplesmente digo que os arminianos servem a um deus estranho à Bíblia, e não ao Deus das Escrituras. Simples assim! Mas, a mera afirmação da minha parte não é o bastante para provar uma premissa e estabelecer uma conclusão. Isso é típico de analfabetos funcionais quando querem provar alguma ideia por meio da mera repetição de uma ideologia.

Portanto, tecerei abaixo dois princípios básicos, porém distintos, fáceis de se entender. Minha intenção neste artigo é mostrar o quanto a Igreja necessita de uma atenção urgente em relação ao “Jugo Desigual”, onde arminianos e calvinistas têm andado de mãos dadas e se ajuntado numa perversão doutrinária em massa, invalidando a Palavra de Deus e provocando danos irreversíveis à ortodoxia cristã.

1. O CRISTO DO ARMINIANISMO

● O Cristo do Arminianismo ama a todas as pessoas do mundo e deseja que todas elas sejam salvas.

● Ele pagou pelos pecados de todos os homens, sem exceção, e faz tudo que está ao seu alcance a fim de convencer os ímpios a se converterem. Todavia, sua oferta aos pecadores e seu poder de salvar são, na maioria das vezes, frustrados. Por que? Porque a maioria dos ímpios dizem “Não” ao seu chamado e se negam a vir até ele.

● Seu poder é limitado e seu sacrifício na cruz foi em vão, pois os pecadores receberam desse "deus" um dom chamado “livre arbítrio”, com o qual o homem decide, por si mesmo, ir ou não em direção a Cristo para se entregar a ele. O “livre arbítrio” do homem não pode ser violado por Cristo e o homem é quem decide se aceita ou não servir a ele.

● O Cristo do Arminianismo morreu na cruz por todo o mundo, isto é, por cada indivíduo da humanidade, sem exceção. Com isso, ele estabeleceu a possibilidade de salvação para todos, dando a oportunidade do homem escolher ser salvo ou não pelo sangue derramado no madeiro. Sua morte na cruz não fora suficiente para salvar os escolhidos de Deus. Seu sacrifício depende inteiramente da escolha do homem em se converter de seus pecados ou não. Sendo assim, muitos homens pelos quais Cristo morreu irão para o inferno.

● Esse Cristo débil, impotente e frustrado perde a muitos pelos quais ele morreu e “salvou”, visto que os tais abandonam a “fé” por si mesmos. Deste modo, quando Cristo os convence de que são verdadeiramente “salvos” e lhes implanta a “certeza da salvação”, esta segurança não está alicerçada na vontade soberana de Deus ou em Seu poder inesgotável, mas na escolha humana, quando o homem aceita Jesus em seu coração (e haja apelos carismáticos para convencer um pecador a “aceitar” esse falso cristo).

2. O CRISTO DA BÍBLIA

● Esse é o Cristo do Calvinismo (Pesquisar sobre os Cinco Pontos do Calvinismo). Ele veementemente ama somente aos que lhe pertencem, os quais Deus escolheu incondicionalmente para a vida eterna, antes mesmo da fundação do mundo (Ef 1.4). Ele jamais sequer orou pelos réprobos e deixou isso muito bem registrado (Jo 17.9), visto que o amor do Pai não recai, em nenhum nível ou aspecto, sobre os que foram predestinados à perdição. Antes, Sua ira sobre os tais permanece eternamente (Sl 5.5; 11.5; 73.17-20; Sl 92.5-7; Pv 3.33; Pv 24.16; Ml 1.2-4; Hc 1.13; Jo 17.9; Jo 3.36; 13.1; Rm 9.13; 1Pe 3.12; Ef 1.4,9,11; Rm 8.30; 2Tm 1.9; 1Ts 5.9; Rm 9.11-16; Ef. 1.19; 2.8-9; Jd 1).

● Deus, por meio do Espírito Santo, eficazmente chama os Seus eleitos de modo que, por meio da vocação a eles concedida, não podem resistir por si mesmos e certamente se converterão.  Antes que o mundo fosse criado, Deus escolheu e predestinou os Seus à salvação. Ele não fez qualquer uma dessas escolhas com base em Sua onisciência ou porque previu fé em tais homens, mas os escolheu segundo o Seu eterno e imutável propósito, conforme Seu santo conselho e beneplácito de Sua vontade, de acordo com Sua graça única [e não múltipla]. Esse Deus, o único Deus, não se baseou em nenhuma fé prevista ou em alguma boa obra humana para salvar os Seus escolhidos, nem por qualquer outra característica na criatura que pudesse movê-Lo como condição para salvá-los (Ef 1.4, 9, 11; Rm 8.30; 2Tm. 1.9; 1Ts, 5.9; Rm 9.11-16; Ef 1.19: e 2.8-9).

● Ele não somente ama Seus escolhidos incondicionalmente, como também os “leva pela orelha”, não importando se eles querem ou não ser salvos. Ele os preserva por meio da disciplina, de modo que nenhuma de Suas ovelhas podem decair da graça que uma vez foi dada aos santos. Nenhuma de Suas ovelhas pode se perder ou ser arrebatada de Suas mãos (Jo 10.28). Ainda que cometam pecados no curso de suas vidas, tais escolhidos de Cristo serão preservados pelo poder do Espírito Santo e perseverarão na genuína fé e doutrina até o fim. Pelo eterno e mui livre propósito da Sua vontade, Deus preordenou todos os meios conducentes a esse fim glorioso. Ou seja, os santos eleitos, tendo nascido escravos do pecado de Adão, são remidos por Cristo e presenteados pela verdadeira fé, por meio do Espírito e no devido tempo determinado por Deus. Por esta razão, os santos escolhidos de Deus são justificados, adotados, santificados e guardados por Cristo nesta fé imutável e eterna. Não há absolutamente ninguém além dos eleitos que seja remido, chamado de forma eficaz, justificado nos céus, adotado, santificado e glorificado por causa da salvação conquistada por Cristo na cruz do calvário (1Pe 1.2; Ef 1.4 e 2.10; 2Ts 2.13; 1Ts. 5.9-10; Tt 2.14; Rm 8.30; Ef 1.5; 1Pe 1.5; Jo 6.64-65; 17.9; Rm 8.28; 1Jo 2.19).

● Contrariando radicalmente o falso Cristo do Arminianismo, o Cristo da Bíblia soberanamente regenera o pecador eleito à margem de sua aceitação ou rejeição temporária. Visto que, sem a regeneração espiritual, o pecador está morto espiritualmente (Rm 3), o pecador jamais pode escolher a Cristo por si mesmo (Jo 6.65). A fé não é uma contribuição do homem para sua salvação. A fé não provém do coração do homem, mas é um dom recebido do alto. Não há nenhuma participação do homem nesse processo salifico. A salvação, bem como todos os frutos que dela procedem, é uma dádiva exclusiva de Deus, não do homem (Jo 3.3; 6.44,65; 15.16; Rm 9.16; Ef 2.1,8-10; Fp 1.29; Hb 12.2).

● O Deus da Bíblia concede misericórdia a quem Ele quer e a recusa a quem Ele quer. Cristo morreu somente pelos eleitos, conquistando eficazmente a salvação para todos aqueles por quem Ele morreu. Sua morte foi uma satisfação vicária, que poderosamente quitou a dívida de Seu povo eleito. Ele escolhe ou recusa Sua bondade como Lhe apraz, para a glória do Seu soberano poder sobre as suas criaturas. Com isto, o restante dos homens foi predestinado à perdição eterna, para louvor da gloriosa justiça de Deus, que não tem a obrigação de salvar ninguém, mas o fez por pura graça. Sem a Sua graça, nenhum homem seria salvo e todos caminhariam segundo sua própria inclinação para o mal (Rm 1.18-32; 3). A justiça de Deus requer que Ele não contemple os réprobos e os lance no inferno por causa de seus pecados (Mt 11.25-26; Rm 9.17-22; 2Tm. 2.20; Jd 1.4; 1Pe 2.8).

PREMISSA MAIOR

Um é o Cristo do Arminianismo e o outro é o Cristo da Bíblia. Um é falso e o outro é verdadeiro. São dois cristos avaliados aqui, e ambos são completamente opostos. Se você está assustado com isso, saiba que a Bíblia diz que existem milhares deles (Mt 24.24; 1Co 8.5) e não somente dois ou três. Se, conforme apresentado pelo artigo, os dois cristos são tão radicalmente distintos, um deles tem de ser o verdadeiro: ou aquele que não possui sequer uma base bíblica sólida, ou Aquele que testifica cada uma das passagens da Escritura Sagrada, as quais foram aqui supracitadas.

PREMISSA MENOR

A Bíblia expressamente diz que não se pode servir e amar a dois senhores. A Bíblia é enfática em dizer que você deve amar um e odiar o outro (Mt 6.24). Você certamente pode ter dois amigos, dois irmãos, dois carros, dois hobbies e até dois empregos. Mas a Escritura o proíbe categoricamente de servir a dois cristos. Ou você ama e serve a um, ou você ama e serve a outro. A palavra “Servo”, muitas vezes empregada de forma romantizada em nossas traduções bíblicas, significa literalmente “Escravo”. Ou você é escravo do verdadeiro Cristo ou é escravo do falso. A escravidão é absoluta e não permite sociedade com outros senhores. A escravidão exige tudo aquilo que lhe pertence — todo o seu tempo, toda a sua lealdade, todo o seu trabalho, todo o seu coração, toda a sua alma. Os cristãos professos dos nossos dias insistem em acreditar que estão servindo ao genuíno Cristo dando as mãos para os que servem ao falso cristo. E não somente isto: Os que insistem em servir a dois cristos chamam os seguidores do falso cristo de irmãos! O fato é que você pode até pensar que está sendo um cristão agindo assim; você pode achar que ama a Jesus porque “vai à igreja” regularmente e porque é apaixonado pelo evangelho que você criou com a sua própria mente; mas a sua prostituição não será ignorada no dia do juízo, visto que você pensa que pode andar com o Cristo da Bíblia e ter um pequeno caso com outro cristo – o falso cristo.

A Diferença entre Calvinismo e Arminianismo é ainda mais profunda que se pode parecer à primeira vista. Não é simplesmente questão de ênfase, mas de conteúdo. O calvinista crê em um Deus que realmente salva; enquanto o arminiano crê em um Deus que possibilita que o homem se salve. O calvinista crê em um Deus Pai que elege de fato; o arminiano crê em um Deus Pai que apenas ratifica a eleição que os homens farão sobre si mesmos. O calvinista crê em um Redentor que objetivamente redime pecadores; o arminiano crê em um redentor em potencial, que apenas viabiliza a redenção dos salvos. O calvinista crê em um Espírito Santo que chama soberana e eficazmente indivíduos; o arminiano crê em um Espírito Santo que apenas “persuade moralmente”, mas que pode ser resistido. O lema do calvinista é: “Seja feita a Tua vontade”. O lema central da seita arminiana é: "Levante-se e caminhe comigo, ó Criador; vou lhe mostrar o que eu quero".

CONCLUSÃO LÓGICA

Arminianos e calvinistas não são irmãos. Jamais o poderiam ser. Eles não possuem a mesma fé. Eles não servem ao mesmo Cristo. Não há qualquer vínculo entre o Cristo da seita arminiana e o Cristo da Bíblia. Eu poderia falar sobre o cristo do Catolicismo Romano, do Espiritismo e de muitos outros milhares de cristos espalhados pelo mundo religioso. Todavia, não há, no atual século, um falso cristo que tenha enganado tanta gente como o cristo do arminianismo, com seu evangelho ardiloso e sagaz. Tenho plena convicção e afirmo com propriedade que, sem explanações como essas do artigo, a maioria das pessoas passaria a vida inteira sem notar a diferença entre um Cristo e outro. Tudo isso é resultado do sincretismo e ecumenismo religiosos que reinam soberanos em todo o mundo, em especial nas seitas denominacionais, onde o intento é adquirir membros para encherem seus templos luxuosos e cheios de adornos judaicos.

UM CHAMADO À SEPARAÇÃO

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso" (2 Coríntios 6.14-18).

Essa passagem se aplica – veementemente – a membros de seitas arminianas. Um “jugo” é tudo aquilo que une. Aqueles que pertencem a uma seita arminiana ou pentecostal estão unidos em um compromisso oficial e em uma aliança com seus membros “irmãos”. Muitos de seus membros/irmãos não dão nenhuma evidência de terem nascido de novo. Eles podem acreditar em um “Deus Soberano”, mas qual o amor que eles têm pela soberania exaustiva de Deus? Qual é a sua relação com os eternos decretos de Deus? Eles simplesmente as negam. “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Amós 3.3).

Pode aqueles que devem o seu tudo a Cristo, tanto para o tempo presente quanto para a eternidade, ter comunhão com aqueles que desprezam e rejeitam ao Deus da Palavra? Portanto, que todo e qualquer leitor cristão que esteja em jugo desigual com arminianos saia debaixo dele sem demora.

***************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).
***************************************************


Bandeira do Estado Teocrático do Vaticano.

**************************************************************   

Os Trinitarianos não querem e não apoiam

 uma teocracia (arminiana, pentecostal

 neopentecostal); "cristã" no Brasil !!!

**************************************************************

A uniformidade de pensamento é um desejo buscado, consciente ou inconscientemente, por todos nós. Por mais "tolerantes" que sejamos, sempre há um segmento ideológico que é visto como "inimigo" e pelo qual não nutrimos simpatia. Como não é possível forçar todos a pensarem de modo agradável a nós, o pluralismo acaba se impondo não como o ideal de todos, mas antes como a melhor alternativa possível, superior à guerra e à violência. Melhor conviver com o diferente do que tentar exterminá-lo. Contudo, a tentativa de impor um pensamento único sempre seduz parcelas significativas da sociedade.

A História está cheia de exemplos, desde o nazismo alemão até o comunismo soviético, incluindo-se aí o fundamentalismo islâmico e até mesmo experiências puritanas de criar colônias nos Estados Unidos onde haveria uma única religião. O totalitarismo é uma tentação que não respeita nenhum tipo de fronteira. Ao meu ver, é esse tipo de tentação que leva cristãos de várias matizes a defenderem uma teocracia cristã. Na verdade, já há proposta para criar o Partido Republicano Teocrata Cristão (PRTC). O objetivo expresso é o de promover a "adequação de todas as leis da nação às leis bíblicas", inclusive com apoio de muitos blogueiros, lideranças e igrejas calvinistas. Esse tipo de movimento é uma reação à aprovação e discussão de leis que ferem os princípios da Bíblia. Contudo, esse fato exige uma discussão. Afinal, a teocracia cristã é o caminho que a própria Bíblia ensina para fazer valer o reino de Deus?

A necessidade da liberdade religiosa!!!

Creio que a primeira coisa que deve ser analisada é a questão da liberdade religiosa. O sonho oculto de muitos segmentos, desde o mais tradicional dos reformados até o mais esotérico pentecostal-neopentecostal, é o de ver todos seguirem uma mesma fé, tendo a Bíblia formalmente reconhecida como estando acima de qualquer outra lei. Na verdade, muitos evangélicos não querem esperar pelo dia em que Jesus Cristo virá implantar seu Reino...querem vê-lo aqui, de modo visível, já! A separação entre Igreja e Estado não é mais vista como uma conquista que foi essencial para garantir a sobrevivência dos evangélicos em sociedades católicas. Agora, o sonho de muitos é ver as igrejas evangélicas comandando o Estado e impondo a sua agenda e pensamento a todos (Um tipo de inquisição evangélica).

Contudo, Jesus Cristo nunca exigiu a conversão de todos os seus ouvintes aos seus ensinamentos. É interessante notar que Jesus não protesta porque ninguém proíbe os fariseus de ensinar ou porque o ensino pagão era tolerado pelo Estado romano.

A arma usada por Jesus em seu ministério era a pregação da Palavra. Era por meio da persuasão, da oratória e dos debates que o Senhor esperava ganhar o coração dos ouvintes. Cristo nunca questionou porque o Estado romano não dava apoio ao seu sistema de fé.

O mesmo pode ser dito dos apóstolos. Eles são sempre retratados como sendo perseguidos por judeus ou pagãos, mas nunca como perseguidores (Tipo deputados senadores e alguns líderes evangélicos atuais); daqueles que anunciam outra fé. Isso é evidenciado em Atos 19, quando os pagãos de Éfeso se revoltam contra a pregação de Paulo:

Pois um ourives, chamado Demétrio, que fazia, de prata, nichos de Diana e que dava muito lucro aos artífices, convocando-os juntamente com outros da mesma profissão, disse-lhes: Senhores, sabeis que deste ofício vem a nossa prosperidade e estais vendo e ouvindo que não só em Éfeso, mas em quase toda a Ásia, este Paulo tem persuadido e desencaminhado muita gente, afirmando não serem deuses os que são feitos por mãos humanas. Não somente há o perigo de a nossa profissão cair em descrédito, como também o de o próprio templo da grande deusa, Diana, ser estimado em nada, e ser mesmo destruída a majestade daquela que toda a Ásia e o mundo adoram.

Ouvindo isto, encheram-se de furor e clamavam: Grande é a Diana dos efésios! Foi a cidade tomada de confusão, e todos, à uma, arremeteram para o teatro, arrebatando os macedônios Gaio e Aristarco, companheiros de Paulo. (Atos 19:24-29); O tumulto é encerrado pelo escrivão de Éfeso, que apazigua a multidão afirmando o seguinte: porque estes homens que aqui trouxestes não são sacrílegos, nem blasfemam contra a nossa deusa. (Atos 19:37). É muito interessante notar isso no Novo Testamento. O desejo dos cristãos é o de terem liberdade para pregar a Palavra sem correrem o risco de serem presos. São os outros...os judeus e os pagãos quem buscam usar o Estado para prender os cristãos e impedir a disseminação da fé cristã. Os discípulos não cometiam sacrilégios nem blasfemavam contra Diana, embora deixassem claro que ela não era uma deusa de fato. Isso mostra uma busca pela liberdade religiosa, e não pela uniformidade religiosa.

Igreja e Estado são esferas distintas.

Por que nem Jesus e nem os apóstolos reivindicam o apoio do Estado para a pregação evangélica? Uma das razões é dada pelo próprio Cristo: dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Convém aqui reler essa história: Naquela mesma hora, os escribas e os principais sacerdotes procuravam alcançar-lhes as mãos, pois perceberam que, em referência a eles, dissera esta parábola; mas temiam o povo. Observando-o, subornaram emissários que se fingiam de justos para verem se o apanhavam em alguma palavra, a fim de entregá-lo à jurisdição e à autoridade do governador. Então, o consultaram, dizendo:

Mestre, sabemos que falas e ensinas retamente e não te deixas levar de respeitos humanos, porém ensinas o caminho de Deus segundo a verdade; é lícito pagar tributo a César ou não? Mas Jesus, percebendo-lhes o ardil, respondeu: Mostrai-me um denário. De quem é a efígie e a inscrição? Prontamente disseram: De César. Então, lhes recomendou Jesus: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Não puderam apanhá-lo em palavra alguma diante do povo; e, admirados da sua resposta, calaram-se. (Lucas 20:19-26).

O ardil era esse: se Jesus dissesse que o imposto deveria ser pago, então Ele se colocava ao lado dos romanos e desagradava aos judeus. Se dissesse que não deveria ser pago, então os judeus se agradariam, mas Jesus poderia ser acusado diante dos romanos. O Mestre evita a resposta, ensinando que o povo deve dar a César o que é de César (respeito às leis, pagamento de impostos e etc...) e a Deus o que é de Deus (fé, adoração, devoção, o controle da vida pessoal e etc...). Embora a separação entre o Estado e a Igreja seja um conceito posterior, creio que ele pode ser reconhecido aqui. Jesus não ensina que o Estado não deve obediência alguma a Deus.

Afinal, o reino dos céus engloba todas as coisas, inclusive sim os governos. Mas isso não significa que tudo deva ser misturado. Há sim distinções muito claras. Por exemplo, não cabe a Igreja decidir qual o melhor sistema de arrecadação tributária ou se um país deve ou não ter relações diplomáticas com outro. Os cristãos podem opinar sobre isso, mas a decisão pertence ao Estado, o qual, por sua vez, não deve decidir se a doutrina calvinista da predestinação é ou não correta. César é César, Deus é Deus. Sei que aqui eu perdi o apoio de quase todos os hiper-calvinistas... afinal, a Confissão de Fé de Westminster, documento ícone da fé reformada, foi feita em um concílio convocado pelo Estado inglês. Contudo, não há base no Novo Testamento para que o Estado se envolva neste tipo de decisão. Esta não é uma questão de Governo Humano, e sim de fé.

A natureza do Reino de Deus.

Talvez muitos pensem que as ideias acima expostas ferem o ensino bíblico sobre o reino de Deus. Ele não é o Senhor de todas as coisas? A recusa dos homens em obedecê-Lo não é um pecado? Sim e sim, digo eu. Mas daí a querermos forçar o Estado a adotar leis bíblicas vai uma grande diferença. Por quê? Ora, por causa da natureza presente do reino de Deus? Observe o que diz Jesus no momento em que ele é preso, como narrado em Mateus 26:51-54. E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, sacou da espada e, golpeando o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe a orelha. Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada a espada perecerão. Acaso, pensas que não posso rogar a meu Pai, e ele me mandaria neste momento mais de doze legiões de anjos?

Como, pois, se cumpririam as Escrituras, segundo as quais assim deve suceder? Repare que a espada não foi usada de modo arbitrário pelo apóstolo Pedro. Jesus estava para ser preso, uma turba com espadas e porretes ameaçava os apóstolos. Pedro quis apenas defender o seu Mestre. Mas Jesus reprovou essa atitude. Quem lança mão da espada (violência) perecerá por causa dela. Se o Cristo de Deus; quisesse, poderia rogar ao Pai para ter a defesa de anjos. Porém, a espada angelical não era o caminho de defesa do reino de Deus. Essa mesma ideia é repetida por Jesus quando ele é confrontado por Pilatos em João 18:33-37.

Tornou Pilatos a entrar no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Respondeu Jesus: Vem de ti mesmo esta pergunta ou tô disseram outros a meu respeito? Replicou Pilatos: Porventura, sou judeu? A tua própria gente e os principais sacerdotes é que te entregaram a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz.

A violência e a coerção não irão promover o reino de Deus, que só se manifestará de modo plenamente visível neste mundo quando Cristo voltar. Por isso Jesus diz que seu reino não é terreno: não há exércitos ou ministros para defendê-lo. O objetivo de Jesus era o de dar testemunho da verdade.

A testemunha busca convencer, mas quem pode impor a sentença é o Juiz. E a vinda de Cristo como Juiz está no futuro. Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão, os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos; pois, para este fim, foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus. (1 Pedro 4:4-6). Chegará sim o dia em que a verdade será manifesta e todos serão julgados, o dia em que todo aquele que rejeitou a Cristo sofrerá a pena por sua rebeldia. Mas, até lá...o dever da igreja não é o de antecipar a execução do juízo, mas sim o de testemunhar a favor da verdade. Testemunhar não é forçar ninguém a acreditar ou seguir, é tentar, da melhor forma possível, convencer os demais a crerem em nosso testemunho.

O mundo é incapaz de seguir a Deus.

Mas, de todos os argumentos, o melhor para combater a ideia de uma “teocracia cristã” é o primeiro ponto do calvinismo: a depravação total. Por esta doutrina, o homem é simplesmente incapaz de, voluntariamente, seguir a Deus. Se o ser humano não for alcançado pela graça de Cristo, servir a Deus é algo impossível a ele, mesmo que o Estado tente obrigá-lo: Porque os que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito. Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz. Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” (Romanos 8:5-8).

Ora, se os que estão seguindo o pendor (inclinação) da carne não podem estar sujeitos à lei de Deus e não são capazes de agradar a Deus, no que adiantaria criar uma teocracia cristã? Ela seria inútil! Não é isso que tornará o Brasil um país melhor. E isso se torna óbvio quando lemos o que a Bíblia diz sobre a lei de Deus:

Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade (pois a lei nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus. (Hebreus 7:18-19).

Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das coisas, nunca jamais pode tornar perfeitos os ofertantes, com os mesmos sacrifícios que, ano após ano, perpetuamente, eles oferecem. (Hebreus 10:1).

A lei de Deus não tem o poder de aperfeiçoar as pessoas e, por extensão, a sociedade. O Brasil só será transformado por meio da salvação dos brasileiros, da criação de novos homens que nascem segundo Cristo Jesus e, voluntariamente, (Regenerados pelo Espírito santo); seguem a lei de Deus. Só que isso não é uma obra do homem, mas sim de Deus. Um novo ser humano é algo que só Cristo pode fazer: E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. (2 Coríntios 5:17).

Qual a solução?

Os cristãos trinitarianos, devem cruzar os braços e deixar o Estado aprovar leis que ferem a Bíblia? Não! De modo algum. Devemos lutar, nas ruas, no Congresso, na Internet, onde for preciso para influenciar o mundo a seguir o Evangelho.

Para influenciar, não para impor!!!

Creio que este é o modelo bíblico de conduta política para os cristãos. Homens como José, Daniel e Mordecai não tentaram convencer o Egito, a Babilônia e a Pérsia a adorarem ao Deus de Israel. Eles influenciaram impérios a se adequarem às leis de Deus por meio de seus comportamentos e atuações políticas. No caso de Daniel e seus amigos, além de Mordecai, vemos que foram decisivos para impedir que os judeus fossem forçados a idolatria ou que fossem massacrados pelos caprichos da nobreza. Foram instrumentos de Deus em impérios que, guardadas as proporções, eram sociedades “plurais”. Ao meu ver, o caminho continua sendo esse. O chamado de Deus para a Igreja é viver em um mundo plural e tentar influenciá-lo de todos os modos, mas sem impor a sua vontade. O objetivo dos cristãos é convencer a sociedade a obedecer a Deus...e não o de obrigá-la a fazer isso.

Os cristãos precisam entender que este mundo não é perfeito. (Ele é 100% Depravado conforme Calvino); nossas decisões políticas, econômicas e sociais devem levar em conta as imperfeições do estado atual da criação: por isso é que existem policiais, soldados, leis penais e democracia. Seria ótimo viver em um planeta onde todos seguem a Deus! Mas isso não vai acontecer até Jesus voltar. Então, não adianta forçar o caminho nessa direção pois é um esforço infrutífero em si mesmo. Precisamos aceitar o mundo como Deus quis que Ele fosse. E, para isso, é necessário aprender a conviver com os diferentes. Não há caminho melhor do que um onde exista liberdade de religião, de pensamento e de expressão. Não há caminho melhor do que o enfrentamento democrático e pacífico. Se, pela democracia, o Brasil escolher servir a Deus, ótimo! Mas, mesmo assim...as liberdades precisariam ser garantidas.

Que possamos refletir no ensino bíblico de Romanos 14:12. Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus. Que assim seja. Amém! Soli Deo Gloria.

**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************


****************************************
Exame eclesiológico, para ingresso de aspirantes, seminaristas; ao episcopado (estas perguntas serão feitas por uma junta eclesiológica aos aspirantes na presença de toda igreja, será composta por 6 oficiais eclesiásticos, mais o reverendo titular da igreja local; e por 6 membros da igreja local); na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira.

Adaptado do original, Pelo: Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.

***********************************************************************************************

Às vezes, acontece que um pastor enfrenta oposição da parte daquelas pessoas que antes o promoviam de maneira entusiástica. Por que isso acontece? Com frequência, isso ocorre por causa da comunicação superficial que houve entre o pastor em potencial e os membros da igreja, antes de ele assumir seu pastorado. Em nossos dias, é possível que um pastor seja escolhido para uma igreja sem que perguntas sérias lhe sejam dirigidas, e, menos ainda, perguntas a respeito de doutrina. 

Sugerimos que as igrejas trinitarianas, tenham o mais completo diálogo possível sobre os assuntos de doutrina, prática e estilo de vida cristã. Se a igreja falhar em fazer isso, o próprio candidato ao pastorado deve procurar esse tipo de diálogo. Tal procedimento protege tanto o pastor quanto a igreja. Dois outros assuntos são extremamente importantes. Primeiro, o candidato ao pastorado deve apresentar uma lista de referências. A igreja tem de seguir com muita atenção essas referências e solicitar que as pessoas citadas apresentem outros nomes como referência sobre o pastor. 

Deve-se tributar atenção ao fato de que, às vezes, pessoas deixam de gostar de outras não por causa dos erros destas. (O próprio Senhor Jesus foi odiado.) A inquirição por meio de referências lhes assegura que o pastor tem um bom testemunho tanto da igreja como “dos de fora” (1 Tm 3.7). O questionamento das pessoas apresentadas deve centralizar-se na lista de 1 Tm 3.1-7 e Tt 1.5-9.

Essas listas de qualificações foram escritas para servirem como instrumento de observação das vidas de candidatos à liderança das igrejas trinitarianas, e não como uma lista de perguntas a serem dirigidas aos (aspirantes); candidatos. Essa observação é extremamente importante. O ideal seria que a igreja convivesse com o candidato ao pastorado, observando sua vida durante meses ou mesmo anos. Visto que, infelizmente, esse não é o padrão seguido pela maioria das igrejas, vocês têm de depender muito de atentarem às referências fornecidas. Respostas superficiais e subjetivas da parte do próprio candidato podem causar uma distorção da verdadeira situação. 

A avaliação que sugerimos em seguida se refere às passagens bíblicas mencionadas, mas a sua utilização pode ser mais abrangente. Vocês devem utilizá-las amplamente na conversa com as pessoas apresentadas como referências. Isso não significa que as passagens bíblicas citadas não são extremamente importantes no questionamento que o candidato pode fazer para si mesmo.

Relacionada à primeira, existe uma segunda consideração: devem ser feitos muitos esforços para apresentar à igreja os diversos aspectos da vida do pastor em perspectiva, durante tanto tempo quanto possível, antes de chegarem a alguma decisão. Esse tipo de apresentação não é um problema, quando a igreja tem de escolher pastores dentre os seus próprios membros; todavia, tal apresentação cria realmente um problema considerável para aqueles que trazem um novo pastor de fora da igreja. 

Um fim de semana de cultos não é suficiente para que as pessoas fiquem corretamente informadas. Devemos lembrar: o pastor, se for chamado a pastorear, estará na igreja durante um extenso período de tempo, influenciando nossas famílias e comunidade para Cristo. Sabemos que vocês estão prontos para receber um novo pastor. Mas existe algo pior do que não ter um pastor — ter o pastor errado.

Apresentamos nossa sugestão final: depois das conversas iniciais, pensem em ter gravadas ou escritas as respostas destas perguntas, por parte daquele que é o mais sério candidato ao pastorado da igreja. Perguntem-lhe se o seu interesse é tão grande, que ele aceitaria avançar para esse estágio de inquirição, dizendo-lhe que isso tomará boa parte de seu valioso tempo. Esse questionamento mais profundo é para aqueles que demonstram um nível de interesse elevado. 

Perguntas esclarecedoras podem ser feitas, posteriormente, por telefone ou conversas pessoais. Um grupo selecionado destas perguntas pode ser dirigido ao candidato nas grandes reuniões da igreja, a fim de permitir que o pastor em perspectiva fale sobre algumas de suas crenças e outras perguntas lhe sejam apresentadas.

As perguntas alistadas em seguida não estão colocadas em ordem de significância. Algumas delas podem não ser importantes para vocês. Talvez vocês queiram acrescentar outras perguntas. Não existe o pastor perfeito. No entanto, atenção a estas questões, juntamente com extensos períodos de oração, ou mesmo jejum, pode lhes dar garantia de encontrar o pastor certo para a sua igreja.

1º Existem muitas pessoas que professam seguir a Cristo, mas estão enganadas. Que evidências você tem de que Deus lhe deu vida?

2º O que significa para alguém amar a Deus? De que maneiras você percebe o verdadeiro amor bíblico para com Deus manifestado em sua própria vida? Você percebe o verdadeiro amor bíblico para com Deus na vida de sua esposa e de seus filhos?

3º O que a sua esposa sente a respeito de seu compromisso com o pastorado? E como os seus filhos reagem?

4º Por que você acredita que Deus o quer no pastorado?

5º Examine cuidadosamente cada uma das qualificações bíblicas para pastores e diáconos (1 Tm 3; Tt 1.5-9; At 6.1-6; 1 Pe 5.1-4). Quais são as suas qualificações mais fortes? Com quais dessas qualificações você tem mais dificuldade? Por que você acredita que essas áreas de dificuldade não o desqualificam para o ministério? (Observe a expressão “é necessário” — 1Tm 3.2.)

6º Um pastor é encarregado por Deus a pregar para a igreja e a pastorear as pessoas de maneira individual. Que aspecto do ministério apela mais a você? De que maneiras específicas você poderia ser auxiliado a desenvolver suas habilidades nessas duas áreas?

7º Quais são os seus métodos de envolver-se nas vidas das pessoas, enquanto as pastoreia e vela por suas almas?

8º Que atividades caracterizam seu interesse evangelístico? Como você lida com o assunto do evangelismo pessoal e do coletivo?

9º O que você pensa a respeito do aconselhamento? Como você administra a abundante necessidade de aconselhamento?

10º Quais são as suas práticas costumeiras e específicas a respeito de disciplina espiritual (ou seja, oração, estudo bíblico, meditação, mordomia, etc.)?

11º Como você descreve um pastor bem-sucedido e uma igreja bem-sucedida?

12º Em que bases o pastor pode ser considerado uma pessoa responsável? Que relacionamentos de sua vida fornecem senso de responsabilidade por suas atitudes e comportamento, tanto em sua vida pessoal como em seu ministério pastoral?

13º Quais são os seus autores, teólogos e comentaristas evangélicos favoritos? Por quê? Que livros você leu recentemente?

14º Descreva uma ocasião em que você fez tentativas de reformar a igreja em alguma área importante. Quais foram os resultados? O que isto custou para você mesmo?

15º Descreva seu estilo de liderança. Quais têm sido alguns de seus pontos fracos e de seus pontos fortes?

16º Quando você enfrentou oposição, isso ocorreu na maior parte das vezes por causa de seu estilo de liderança, de sua personalidade, de suas crenças ou de alguma outra coisa?

17º De acordo com sua observação, que doutrinas precisam de ênfase especial em nossos dias?

18º O que é o verdadeiro arrependimento bíblico?

19º O que é a verdadeira fé bíblica? Qual sua opinião acerca dos nossos distintivos oficiais da fé reformada, os catecismos breve e maior e a confissão de fé de Westminster?

20º Explique a justificação pela fé. Qual a diferença entre o ponto de vista do Catolicismo Romano e o ponto de vista bíblico (calvinista); a respeito da justificação pela fé?

21º Explique seu ponto de vista a respeito da santificação. Quais são os vários meios que Deus usa para santificar o crente?

22º Uma pessoa pode ter Cristo como seu Salvador e não estar em sujeição a Ele como Senhor? Explique.

23º Qual a sua posição a respeito da inerrância das Escrituras?

24º Explique a expressão bíblica “Batismo do Espírito”. Quando ocorre esse batismo?

25º Quais são as suas opiniões sobre o batismo em água?

26º De que maneira a Bíblia relaciona a soberania de Deus à salvação?

27º O que a Bíblia ensina a respeito da extensão da depravação do homem?

28º O que a obra de expiação consumada por Cristo realizou em favor dos (eleitos); crentes?

29º O que a Bíblia ensina a respeito da perseverança e da preservação dos (eleitos); crentes?

30º Qual é a utilização correta da lei do Antigo Testamento?

31º Como você articula sua opinião a respeito dos assuntos escatológicos e dos finais dos tempos?

32º Você crê que Jesus nasceu de uma virgem? Qual a importância desta sua crença?

33º Qual a sua interpretação dos ensinos bíblicos sobre o inferno?

34º Você acredita que os acontecimentos descritos em Gênesis 1 a 11 são verdadeiros ou simbólicos?

35º O que a Bíblia ensina em referência aos dons espirituais? Descreva sua opinião a respeito de profecias e falar em línguas.

36º O que você pensa sobre o divórcio e o novo casamento? Você segue estritamente esses pensamentos em sua prática?

37º Qual a sua opinião sobre a frase “é necessário, portanto, que o bispo [pastor] seja… esposo de uma só mulher” (1 Tm 3.2)?

38º Quais são as suas exigências para realizar uma cerimônia de casamento?

39º Explique suas opiniões sobre a disciplina da igreja. Relate alguma experiência pessoal.

40º Como você lidaria com um caso de escândalo ou imoralidade praticado por um membro da igreja?

41º O que você pensa a respeito do aborto da ideologia de gênero e do casamento homoafetivo?

42º Muitas crianças que pareciam ter sido convertidas na infância não demonstram mais tarde qualquer evidência de conhecerem a Cristo. Como você lida com crianças quando elas o procuram, para aconselharem-se a respeito da conversão?

43º Qual é o método útil para receber novos membros na igreja? Quais são os requisitos para isso?

44º Qual a sua opinião sobre os estilos de música da igreja?

45º Quem deve conduzir a adoração na igreja? Por quê? Que métodos de liderar a adoração corporativa são apropriados? Quais são impróprios?

46º O que a Bíblia diz sobre o propósito das reuniões semanais da igreja e prestações de contas mensais?

47º Qual o seu ponto de vista a respeito do levantamento de recursos monetários para os vários projetos da igreja? A igreja deveria pedir dinheiro a pessoas que não pertencem à sua membresia?

48º Quais as suas convicções sobre dívidas na igreja local?

49º O que a Bíblia ensina sobre mulheres no ministério pastoral?

50º O que a Bíblia ensina a respeito de como a igreja deve tomar suas decisões?

51º Como um pastor e sua igreja devem se relacionar com outras igrejas locais e (se filiada a uma denominação arminiana); no âmbito mais amplo? Você se sente tranquilo em cooperar com outras denominações não reformadas? Você estabelece algumas diretrizes?

52º Quais são as responsabilidades bíblicas dos presbíteros? Existem distinções entre presbíteros, pastores e bispos?

53º Quais são as responsabilidades bíblicas dos diáconos? Como devem se relacionar os diáconos e os pastores?

54º Que ênfase você atribui à liderança dos pais em suas famílias, especialmente no que diz respeito à adoração familiar. Você se envolve pessoalmente na adoração familiar, juntamente com sua esposa e filhos?

55º Qual a sua visão missionária para a igreja? De que maneira você está demonstrando interesse e envolvimento em missões?

56º O que você acha da doutrina da ITB em denunciar o estelionato do dizimo e da oferta obrigatória?

57º O que você acha da doutrina do dizimo? Ela é para a igreja neotestamentária?

Para ser um ministro bom e fiel, um pastor não tem de fornecer uma resposta completa e imediata para todas essas perguntas. Em algumas dessas perguntas, será aceitável se ele apenas disser: “Eu não sei”; ou: “Ainda não tenho a minha opinião completamente desenvolvida sobre este assunto”. Entretanto, acautelem-se de um aspirante a pastor, que parece estar evitando apresentar respostas claras. Certamente, em algumas dessas perguntas, ele achará necessário definir termos e esclarecer sua resposta. Sigam em frente cautelosamente, até que ele torne sua opinião tão clara quanto possível.

Se necessário, podem ser feitas outras perguntas sobre assuntos como o Movimento de Crescimento de Igreja, educação familiar, maçonaria, pentecostalismo, neopentecostalismo, renovação carismática católica, movimento nova era, atividade política na igreja, relacionamento com outros ministérios ou movimentos evangelicalista e etc. Perguntas sobre outros assuntos doutrinários de grande importância devem ser feitas, se necessário (por exemplo, a divindade de Cristo, a aceitação da Trindade, a TULIP e etc.). Tanto o comitê de avaliação como a igreja devem ficar satisfeitos a respeito de qualquer assunto sobre o qual desejem discutir na ordenação eclesiástica da Igreja Trinitariana Brasileira.


**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************


Como surgiu a heresia pentecostal no Brasil.

**************************************************************

Vejam o relato abaixo. Trata-se de uma carta escrita por um líder da Primeira Igreja Batista em Belém do Pará e publicada em O Jornal Batista de 20 de julho de 1911. A carta mostra os danos que dois falsos mestres pentecostais, (Daniel Berg e Gunnar Vingren); causaram àquela igreja há mais de cem anos.

Prezado irmão e relator, como sabeis pela correspondência do irmão João Jorge de Oliveira, inserida no número de 20 de abril do corrente, na ausência de nosso mui estimado irmão missionário Eurico A. Nelson, ficou o abaixo assinado como encarregado do trabalho de evangelização desta igreja e da do Castanhal.

Devo dizer-vos que os cultos internos e externos desta igreja iam sempre em progresso, pois eram bem frequentados e com bastante atenção; e sem que houvesse oposição de pessoa alguma, a igreja trabalhava em perfeita paz com Deus. Porém, pela experiência de dezoito séculos pela qual tem passado a igreja do Senhor, sabemos que exatamente quando elas vão mais prósperas é que Satanás se introduz manhosa e sorrateiramente dentro delas procurando aniquilá-las.

Deveras o último assalto que Satanás fez à igreja do Senhor aqui foi o mais astuto e perigoso de todos. O caso é que há uns cinco meses, chegaram aqui, da América do Norte, dois homens suecos (Daniel Berg e Gunnar Vingren); que se diziam mensageiros do evangelho; e antes de bem conhecermos tais pessoas conseguiram elas captar a simpatia dos irmãos J. J. de Oliveira e Eurico A. Nelson, apresentando-se-lhes muito desejosos de trabalharem para o progresso da causa do Senhor neste lugar. 

Na sua boa-fé, os ditos irmãos Oliveira e Nelson apresentaram os tais indivíduos à igreja que, naturalmente, com tão boa apresentação, logo os recebeu sob a condição de eles trazerem as cartas demissórias das igrejas a que pertenciam, cartas que, afinal, nunca chegaram. 

(Os mesmos haviam sido expulsos da Igreja Batista dos Estados Unidos); logo que estes homens começaram a falar o nosso idioma, começaram a vender Bíblias e, de casa em casa dos crentes, iam fazendo “orações”, lendo alguns trechos da Bíblia concernentes ao dia de Pentecostes, a Cornélio, etc...

Pediam também que os crentes se unissem em “oração” com eles assim que acabava o culto público, etc... Com estas e outras artimanhas foram ganhando os corações de muitos crentes, como fizera o príncipe Absalão (2Sm 15).

Começaram também a reunir-se em casa de uma irmã cujo marido é marítimo, não se achando em casa. Depois de cinco dias de orações e jejuns correu rapidamente a notícia de que aquela irmã havia sido batizada com o Espírito Santo e com fogo do céu e que, como prova, lhe tinha sido concedido o dom de falar diversas línguas.

Sendo isto para nós muito estranho, logo depois do nosso culto de quinta-feira, 8 do corrente, dirigimo-nos, eu e diversos irmãos, para o bairro da cidade velha onde mora a referida irmã e, ao entrarmos em sua casa, fiquei deveras surpreendido como em tempo nenhum! Vi aquela irmã, que é brasileira, tendo os joelhos no soalho, as mãos postas na fronte bem erguida e olhos fechados, articulando com rapidez sons que ninguém podia harmonizar e entender, nem sabemos se aquilo era qualquer linguagem. 

Na mesma ocasião, muitos outros de joelhos, choravam uns, outros oravam, outros cantavam e outros liam. De repente uma irmã começou a tremer, como se sofresse de maleitas, a gemer até que ficou sem sentidos; seguindo-se a esta crise outra, na qual ora cantava hinos, ora modinhas, inclusive o tango.

A este momento diziam, suscitara-se um debate entre os dois espíritos que tomavam conta das pessoas; a primeira pessoa que tinha o espírito dizia que tinha o dom de discernir espíritos e por isso conhecia que o outro espírito era o de Belzebu; enquanto a outra respondia, ora dizendo que era mesmo o espírito de Lúcifer, ora que era de Cristo. Esta cena revoltante durou três horas; depois do que cada um foi para sua casa. Creio que, como eu, muitos do que comigo a presenciaram não dormiram naquela noite.

No dia seguinte houve um culto externo, onde por mandado de um dos tais doutrinadores, um espírito se manifestou numa das duas pessoas mencionadas. Fiquei deveras envergonhado de semelhante escândalo público; mas não me achei com coragem de me opor para não fazer ainda maior confusão aos incrédulos. Logo que o culto findou eles convidaram uns crentes para o templo de nossa igreja. O que então se deu é indescritível.

As quatro pessoas possuídas cantavam, riam, choravam. Todos os outros irmãos que se achavam presentes sofriam uma agonia terrível. Até que não pude suportar mais; levantei-me e fiz sinal de silêncio e comecei a falar aos crentes sobre os falsos sinais que haveria nos últimos tempos; porém as pessoas possuídas fizeram uma balbúrdia tamanha em cima de mim que por mais que eu gritasse elas mais gritavam; e como não me fosse possível fazer sobressair a minha voz, fui forçado a calar-me e aconselhar aos crentes a se retirarem, no que alguns me atenderam.

No dia seguinte, eu e outro irmão, como não sabíamos notícias do irmão Nelson, passamos telegrama para o irmão J. J. de Oliveira e para o irmão pastor do Maranhão, pedindo providências urgentes. Fui nesse mesmo dia à tarde fazer a pregação na igreja do Castanhal; e voltei no domingo de manhã para pregar aqui na igreja; e tanto na pregação da manhã como na da noite fui rebatido por um adepto da tal heresia pentecostal.

Esta doutrina diabólica ia se alastrando rapidamente e vi que em poucos dias, se não tomássemos posição de verdadeiros crentes batistas, ficaríamos sem igreja batista na capital. Terça-feira 13 do corrente, depois do culto de oração, convoquei a igreja em sessão extraordinária, na qual foram cortados todos quantos se manifestaram adeptos da heresia pentecostal, sendo o número total dos eliminados 17.

Como estamos em tempos trabalhosos, combinei com a igreja termos uma série de conferências e orações que terminaram ontem, as quais, embora pouco concorridas, deram bons resultados. Os crentes se acham novamente prontos para o trabalho.

Sem outro assunto peço a todos os amados do Senhor as suas orações por nós aqui. Vosso irmão na fé, Raymundo P. Nobre. Belém, 19-6-1911. Caixa 361.

Devemos ter muito cuidado com os falsos mestres (pentecostais, neopentecostais, católicos carismáticos); como os dois hereges apresentados na carta do pastor batista, muitos em nossos dias, adentram às igrejas (Bíblicas); reformadas se dizendo mestres e doutores! E logo buscam lugar nos púlpitos e no coração de nossos irmãos, afim de colocarem o fardo de satanás sobre os ombros da noiva imaculada de Cristo, ou seja, tentam a todo custo impregnar às falsas doutrinas pentecostais, neopentecostais, arminianas, pelagianas, semi-pelagianas, amiraldianas, sabelianas, gnósticas e outras desgraças de mesma ordem, nas igrejas reformadas e Bíblicas.

***************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

***************************************************

****************************************************************


**************************************************************

(O canal dos eleitos de DEUS: Reformedsound)

Na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira, Não cobramos dízimos e ofertas de forma obrigatória; seguimos a ética apostólica paulina, fazemos coletas de forma pontual e com objetivos específicos; prestamos contas das despesas mensais da igreja todo dia 28 de cada mês, a partir da demonstração de contas a pagar, organizamos uma coleta especifica para a manutenção das despesas, caso seja arrecado um valor superior, o excedente entra no fundo de caixa para cobrir as despesas do próximo mês, caso falte algum valor, é feita uma segunda coleta para cobrir o valor faltante; na ITB. Não pagamos salários ou ajuda de custos de nenhuma espécie aos nossos ministros e colaboradores!!! Todos, sem exceção; são voluntários.

 Na ITB. Igreja Trinitariana Brasileira, Não cobramos dízimos e ofertas de forma obrigatória; seguimos a ética apostólica paulina, fazemos coletas de forma pontual e com objetivos específicos; prestamos contas das despesas mensais da igreja todo dia 28 de cada mês, a partir da demonstração de contas a pagar, organizamos uma coleta especifica para a manutenção das despesas, caso seja arrecado um valor superior, o excedente entra no fundo de caixa para cobrir as despesas do próximo mês, caso falte algum valor, é feita uma segunda coleta para cobrir o valor faltante; na ITB. Não pagamos salários ou ajuda de custos de nenhuma espécie aos nossos ministros e colaboradores!!! Todos, sem exceção; são voluntários.

**************************************************************

Os mais belos louvores reformados.

**************************************************************

Inscreva-se no canal e adore a DEUS cantando a Bíblia Sagrada **************************************************************

**************************************************************

**************************************************************

**********************************************************
Regimento Interno e Estatutos Eclesiásticos-Clericais, distribuído
 internamente, destinado exclusivamente; aos membros, congregados, obreiros, 
diáconos, seminaristas, oficiais eclesiásticos, pastores e reverendos da ITB.
**************************************************************

**************************************************************

Fundamentos da Doutrina Reformada

Um Guia na Instrução Catequética.

Classes 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª.

**************************************************************

**************************************************************
Voz Trinitariana do Brasil, o nosso periódico impresso, distribuído internamente, destinado exclusivamente; aos membros, congregados, obreiros, diáconos, seminaristas, oficiais eclesiásticos, pastores e reverendos da ITB.
**************************************************************


****************************************************** 

Hinário Oficial dos Trinitarianos, distribuído internamente, destinado exclusivamente; aos membros, congregados, obreiros, diáconos, seminaristas, oficiais eclesiásticos, pastores e reverendos da ITB.

******************************************************
******************************************************

*******************************************************

O Mensageiro das Doutrinas da Graça de Deus (TULIP). Instrumento de evangelismo e discipulado (básico); externo da ITB.

*******************************************************

*****************************************************

Folheto Evangelístico Oficial, da ITB. Igreja Trinitariana Brasileira (FRENTE).

******************************************************

*******************************************************
Folheto Evangelístico Oficial, da ITB. Igreja Trinitariana Brasileira (VERSO).
*******************************************************
*******************************************************
Projeto Aprovação - ITB - CASCAB
*******************************************************

*******************************************************
Turmas: manhã (08:00 ás 12:00 horas); tarde (13:00 ás 17:00 horas); aulas de Segunda a Sexta-feira, Simulados de provas objetivas, aplicados toda última Sexta-feira de cada mês!!! Cobramos uma taxa simbólica!!! de contribuição mensal, no valor de 50.00 R$, (todo dia 5 de cada mês); afim de custear despesas com pessoal (instrutores/mediadores), energia elétrica, banda larga de internet, manutenção e impressão de materiais de provas/simulados.
*******************************************************
*******************************************************

O Projeto Aprovação (O Aprova Concursos é recomendado pela ITB); está, entre ás melhores plataformas especializadas em concursos públicos!!! e o melhor; nossa assinatura completa é a mais barata do Brasil e lhe garante acesso á todos os preparatórios, ENEM, OAB, CFC, ESA, Carreiras Jurídicas, Carreiras Fiscais, Carreiras Militares, Carreiras Administrativas, dentre outras, não perca mais tempo; embarque nessa já e construa um futuro brilhante!!!
*******************************************************
*******************************************************
A CTB. (Creche Trinitariana Brasileira); é uma instituição educacional de linha cristã calvinista que declara sua confessionalidade na pessoa de Deus criador e de nosso senhor Jesus Cristo, através do trabalho diário e acredita na capacidade do homem evoluir (Intelectual e Espiritualmente); e efetuar transformações no mundo, articulando os saberes para o exercício de uma vida cristã-ética-cidadã, com o compromisso em servir à comunidade onde está inserida, assim, buscamos com todo afinco, desenvolver um grande amor pela ciência, pelo estudo e pela pesquisa, em permanente diálogo com a fé cristã reformada; Trata-se de um sonho que vai se realizando na medida em que nos envolvemos cada vez mais; utilizamos como material didático de base, a Bíblia ACF. (Almeida Corrigida Fiel); adaptada a linguagem infantil, o CBW. (Catecismo Breve de Westminster); Adaptado a linguagem infantil e o CC. (Cantor Cristão); adaptado a linguagem infantil, bem como, os materiais de alfabetização e letramentos convencionais e lúdicos.
*******************************************************

******************************************************
Bandeira Oficial da ITB
******************************************************

"Mas a nossa cidade está nos céus, de onde

 também esperamos o Salvador, 

o Senhor Jesus Cristo",  

Filipenses 3. 20


Em quem você tem confiado seus sonhos, suas forças, seu futuro, sua família, seu chamado, sua vida? Em quem você tem depositado toda sua dependência? Em Filipenses 3. 20 ou nos governantes desta terra? a Bíblia diz que nossa verdadeira cidadania, nossa pátria, vem do Céu. Ou seja, de Deus — pertencemos somente à Ele, dependemos dEle e vivemos para Ele e mais ninguém.

Por isso, independente do cenário em que vivamos, (Governos tiranos e corruptos de extrema direita ou esquerda!!!); devemos aguardar ansiosamente a volta de Jesus Cristo, tendo sempre em mente que não pertencemos a este mundo. Dessa forma, conseguimos viver crendo nas promessas de vida e esperança do Senhor para nós, pois sabemos que estamos fundamentados em Cristo, nossa Rocha inabalável e eterna. 

Portanto, que possamos continuar firmes em Cristo Jesus, vivendo em comunhão e, principalmente, proclamando as boas-novas de Jesus para todos os eleitos e eleitas do Sr. Deus. Que, em meio à dificuldades, momentos de crises e instabilidades, possamos ser luz para àqueles que nos cercam e demonstrar que a verdadeira vida é possível somente no Senhor Jesus Cristo.

Todos os anos em 7 (sete de setembro); dia da "Independência" do Brasil, nós os cristãos trinitárianos reformados, declaramos nossa dependência total e irrestrita do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, Jesus Cristo; não nos deixemos levar pelos governos terrenos, os mesmos buscam seus próprios interesses mesquinhos e egoístas; Isso porque, são todos sem exceção, 100% depravados, conforme nos ensina a Bíblia sagrada e o nosso querido: Rev. Ref. Prof. Dr. João Calvino nas doutrinas da graça TULIP.

Atenciosamente, Respeitosamente e Fraternalmente: 

Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.

******************************************************

******************************************************

A (ABTR). Academia Brasileira de Teologia Reformada é uma instituição de ensino teológico de cosmovisão bíblico-reformada com foco ministerial. Tendo por missão principal o preparo e formação de pessoas para o serviço do ministério pastoral e afins. Capacitar obreiros alicerçados numa cosmovisão reformada em suas respectivas vocações.

De acordo com seus pressupostos e objetivos, a ABTR. busca promover um melhor ambiente para a formação acadêmica e a reflexão teológica dentro das linhas da fé reformada. Assim, a ABTR. não busca credenciamento junto às autoridades que regulam a educação do governo brasileiro (MEC), pois, isso limitaria o escopo de nossa missão eclesiástica.

Desta forma, a ABTR. faz saber que os cursos reconhecidos pelo MEC não podem ser confessionais, não podendo estes, ter nenhum vínculo de compromisso com a teologia estritamente cristã e ortodoxa. Portanto, estes cursos sob o reconhecimento do MEC são cursos voltados para as “ciências da religião”, e por isso, não podem ser o critério para a formação ministerial, visto que, não há, por parte do MEC, qualquer interesse em chancelar cursos de teologia com grade distintivamente reformada, confessional e 100% protestante. Parecer CNE/CES 118/2009;

******************************************************

Endereço e Contatos: C/ Gregorio Solabarrieta 31 bajos 09200 Miranda de Ebro, Espanha, 

Página web: www.academiareformada.com

E-mail: info@academiareformada.com


Contatos: Escritório Central, Dr. Davi Charles Gomes, Diretor Internacional da Sociedade Mundial Reformada, Avenida João XXIII, 350 - Sala 102 Mogi das Cruzes - SP - 08780-830 Brasil.

Escritório da Filadélfia, Dr. Samuel T. Logan Diretor Internacional Associado The World Reformed Fellowship 430 Montier Road Glenside PA 19038 EUA

Escritório Financeiro, Karen Jansson Diretora Financeira The World Reformed Fellowship 5200 Wind Point Drive Racine, Wisconsin 53402 EUA

Endereço Eletrônico: 



Conheça melhor a ITB. Igreja Trinitariana Brasileira!!! 
***************************************************
O Projeto Trinitarianos Brasil é um movimento 100% REFORMADO e fundamentalista; não somos católicos nem evangelicalistas, somos Cristãos Hipercalvinistas Supralapsarianos Reformados de Dort; (Subscrevemos a confissão de fé e os catecismos maior e breve de Westminster, bem como, os demais documentos oficiais produzidos pelo Sínodo de Dort); Um dos nossos propósitos principais é instalar um sínodo no Brasil igual ao de Dort na Holanda, neste sínodo iremos discutir sobre as heresias Arminianas e sobre o charlatanismo e o estelionato da fé cristã; pretendemos com isso, criar um projeto de lei que regulamente os programas de cunhos religiosos; sobretudo os pentecostais, neopentecostais, carismáticos e toda sorte de seitas hereges!!! cujo único propósito é o de enganar ás pessoas (cometerem o ilícito, charlatanismos, curandeirismo religiosos e o estelionato da fé); e extorquirem criminosamente; dinheiro em rádio, televisão e internet; nesta lei implantaremos penalidades e condições/pré-requisitos; para abrir-se igrejas e regulamentaremos o ofício de ministros religiosos! Criaremos o CNTMB. Conselho Nacional de Teólogos e Ministros do Brasil, os que não forem teólogos e ministros devidamente registrados no Conselho, serão processados, se condenados; irão responder por exercício irregular do ofício eclesiástico, já passou da hora dos verdadeiros cristãos REFORMADOS; botarem ordem na bagunça que se tornou a "IGREJA" brasileira!!! Qualquer profissão, precisa de formação e regulamentação, porém no Brasil qualquer picareta pode ser pastor e abrir um boteco de glória e aleluia e sair mentindo (produzindo doenças psicológicas); e enganando o povo!!! Chega, isso tem que mudar; apoiem esta causa nobre, em defesa do verdadeiro evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo (TULIP). 
**************************************************************
Igreja Trinitariana Brasileira, Aqui, se aprende o quanto somos pecadores e insignificantes frente a soberania exaustiva e absoluta de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
**************************************************************
Que a Graça e as Misericórdias de Deus vos alcancem, se esta for a vontade soberana, exaustiva e absoluta D'ele claro!!!

O fundador da ITB. Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C. Filho de mãe solteira (Sua mãe foi rejeitada pela família devido ao machismo doentio da época; este fato, foi muito doloroso e traumático para o garotinho Gustavo Cezar de Albuquerque, posteriormente, causou-lhe muitos danos na vida adolescente e adulta); foi educado em uma escola (internato); administrada por Padres da ordem dos Jesuítas, em regime de internato integral, dos 6 aos 16 anos de idade; FAM. (Fundação de Amparo ao Menor); onde concluiu o ensino fundamental I e II, dando andamento aos estudos como bolsista integral no Colégio Particular, SEG. (Sistema Educacional Gênios); onde concluiu o ensino médio; posteriormente, foi por Deus, convertido ao evangelho reformado ortodoxo (Hiper-calvinismo Supralapsariano); na IPOB. (Igreja Presbiteriana Ortodoxa do Brasil); Graduou-se: Bacharel em Teologia, Licenciatura em Filosofia, Bacharel em Psicologia, Bacharel em Administração de Empresas, Mestrado em Teologia Eclesiástica, Doutorado em Psicanálise Clínica; Foi Ordenado Ministro do evangelho em 2010 mesmo ano de fundação da ITB. Igreja Trinitariana Brasileira.


**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).

**************************************************************


Uma pergunta que fiz, a um Ideólogo "Evangélico": Graça e Paz, Rev. Ideólogo Religioso!!! O Senhor, já ouviu falar da teoria do: APARELHO IDEOLÓGICO PROTESTANTE??? (esta, fortemente combatida e rechaçada na Europa e principalmente aqui, em Portugal); ou dos: APARELHOS IDEOLÓGICOS PENTECOSTAIS E NEOPENTECOSTAIS??? (estas, DOMINANTES nos países de terceiro mundo, onde impera o analfabetismo em massa!!!); bom, segundo o Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C. trata-se de movimentos heréticos, incentivados e orquestrados pelos CALVINISTAS REFORMADOS; com o intuito de tornar os países (terceiro mundo); da América do Sul, “herético-cristãos”, tendo como pano de fundo a defesa de uma dita, “democracia cristã” (um tipo de coronelismo moderno); que na visão do autor, nada mais é do que, uma palavra (que sou-a agradável); diferente para Neonazismo-Neofascismo-de-Extrema-Direita; segundo ele, com a ideia de trazer de volta uma visão de mundo CORONELISTA!!! principalmente do ponto de vista econômico-social; acredita-se que, esta é uma estratégia dos RACIONALISTAS REFORMADOS (cristãos calvinistas); ou seja, incentiva-se uma heresia popular; com a finalidade de se introduzir no discurso, valores ideológicos de uma determinada classe social dominante!!! (primeiro imbeciliza-se, depois se catequisa!!! e por fim, se estabelece o objetivo real); para criar uma cultura religiosa falsa, herética; para em um momento oportuno, fazer justamente o que o IRSP. (Instituto Reformado de São Pulo); faz agora!!! ou seja, catequisar os pentecostais e neopentecostais, vou deixar aqui o link da obra do Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C. que defende esta teoria; o título do livro é: O LADO NEGRO DO CRISTIANISMO DE EXTREMA DIREITA, Disponível em:


Se possível, gostaria de sua opinião sobre o assunto em epigrafe!!! de fato, os reformados são os pais (mesmo que estratégico-ideológico); destes filhos feios: Pentecostais, neopentecostais e carismáticos católicos??? No mais, em Cristo, um fraternal abraço:.️

⛪ “Post Tenebras Lux” ⛪

**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).
**************************************************************

**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).
**************************************************************
**************************************************************
“Todos, nascem arminianos, é a graça de Deus que vai tornar alguns e apenas alguns; hipercalvinistas supralapsarianos!!!” 
(Rev. Prof. Dr. Albuquerque G. C.).
**************************************************************

Para incontáveis milhares, mesmo entre aqueles que professam ser Cristãos, o Deus das Escrituras é completamente desconhecido!!! A supremacia e o poder de Deus, por: A. W. Pink

*************************************************************

**************************************************************

Contatos: (21) 9 7175 6784 Vivo

*Website: www.trinitarianos.com *Gmail: trinitarianos.org@gmail.com

Escritório Central (Região Sudeste); de Gestão Eclesiástica da ITB: Galeria Condor, Sala, 202, Largo do Machado, nº 29 - Bairro das Laranjeiras, Rio de Janeiro - RJ, CEP. 22221-020

**************************************************************